Banner Agenda

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Por que a mídia esconde a tragédia do reitor da UFSC? Porque é cúmplice de sua morte. Por Kiko Nogueira
  Data/Hora: 4.out.2017 - 9h 7 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

 

 
 
 
 

Quanto tempo o Jornal Nacional desta terça, 3, dedicou à tragédia do reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier?

Zero.

 

Repito: zero.

A repercussão do suicídio foi escondida na mídia. A razão é uma só: ela é cúmplice.

 

O estado policialesco em que vivemos é resultado de anos de doutrinação e emburrecimento iniciados com o mensalão e com a indignação coletiva que frutificou.

 

As capas canalhas da Veja, os jograis de William Bonner, o vômito de ódio de colunistas deseducaram e deram subsídio para milhares de cretinos que evoluíram para o fascismo sem medo de ser felizes.

 

Temos um juiz absoluta e desavergonhadamente parcial como heroi. No nosso novo normal, ele vai a premieres de filmes em que ele mesmo é protagonista e tudo bem. A cobertura é do Oscar.

 

Procuradores são convidados de honra de jantares de artistas da Globo. Bolsonaro fala em fuzilar organizadores de exposições. Deputados flagrados vendo pornografia em plenário querem espancar artistas “tarados”.

 

Desse caldo sai uma delegada, Érika Malik Marena, ex-Lava Jato, que submete um professor ao que ele chamou de “humilhação e vexame”.

 

“Você fica nu diante de uma série de pessoas. Você fica exposto. Fica numa condição de subjugação completa”, disse ele, num depoimento comovente.

 

Érika queria mantê-lo preso. Queixou-se da juíza que o liberou.

 

O ex-senador e advogado Nelson Wedekin fez um belo discurso na solenidade fúnebre do conselho da universidade em tributo a Cancellier.

 

Wedekin lembrou de “uma imprensa que primeiro atira e só depois pergunta quem vem lá, quando e se pergunta. Uma imprensa que toma como verdadeira, em princípio, a palavra da autoridade, não mediada, não contextualiza”.

 

Continuou: “De blogueiros, ativistas e pessoas ‘comuns’ que, raivosos, expelem argumentos chulos, pensamentos prontos, clichês preconceituosos, manifestações de atraso, ignorância, e ódio, muito ódio nas redes sociais Mãos de quem confunde moral com moralismo de baixo custo, que a todos rotula, por método, costume e um certo prazer sádico”.

 

Fomos da terra da impunidade ao paraíso dos justiceiros sem escalas.

 

Em Santa Catarina, o clima é de comoção. Mas esse sentimento deveria ser nacional. Deveria servir para um basta. Deveríamos estar na rua.

 

Mas não. Outros virão. Criaram uma sociedade doente. Como na brilhante tira de Laerte, amanhã a cadela do fascismo morderá a mão de quem a alimentou.

 

E então vai sair no Jornal Nacional, mas será tarde demais.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Auditoria da Dívida Publica
Banner esporte é vida
Cerâmica Zanoni
Banner pedrão
Laticinios
Grandinox
Otica PetriU
Transmorgan
Banner Abraços
Rose Bueno Acessórios