Lindas Reflexões

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
ESTÃO TRAZENDO PARA O BRASIL O QUE FIZERAM NA LÍBIA: A VOLTA DA ESCRAVIDÃO!
  Data/Hora: 26.nov.2017 - 21h 8 - Categoria: Brasil  
 
 
clique para ampliar

26.11.17    

EMANUEL CANCELLA -
 
Fonte: Tribuna da Imprensa - A Líbia, governada pelo Coronel Muammar al-Kadhafi, até seis anos atrás era o paraíso africano: Kadhafi, que assumiu o país em 1969, elevou a taxa de alfabetização do país a 90%; a expectativa de vida dos cidadãos da Líbia aumentou em 20 anos, enquanto a mortalidade infantil diminuiu drasticamente.  A qualidade de vida na Líbia avançou cerca de 100 vezes maior do que existia sob o domínio do rei Idris I.
 
A Líbia era considerada um oásis dentro da África e todos queriam trabalhar lá. Kadhafi aplicava as riquezas do petróleo para melhoria a vida do seu povo. A Líbia é o quarto produtor de petróleo da África, fazendo parte da OPEP e possuindo reservas de 42 Bilhões de barris de petróleo (5,6).
 
Mas antes de Kadhafi, o petróleo era explorado pelos americanos:
 
“Na chegada ao poder do coronel Kadhafi, em 1969, as companhias petroleiras, majoritariamente americanas, extraíam do solo líbio mais de 2 milhões de barris diários”.
 
“Muito rapidamente, o líder líbio nacionalizou o petróleo, limitou a produção e criou a Companhia Nacional de Petróleo (NOC), que iniciou empreendimentos conjuntos com a participação minoritária de empresas estrangeiras. (1)”.
 
Então foi iniciado o movimento que derrubou Kadhafi que foi a “Primavera Árabe”. Esse movimento que tirou Kaddafi i do poder, na Líbia, tentou depois derrubar o presidente Sirio, Bashar al-Assad.
 
Tudo em nome do petróleo: “Por trás da guerra na Síria, a disputa do petróleo e do gás (2)”.
 
O movimento se estendeu por vários países árabes. A Primavera árabe era na verdade a invasão americana atrás de petróleo, entretanto faziam parecer um movimento espontâneo das populações revoltadas com seus governantes.
A Primavera Árabe tirou a máscara na Líbia, quando atacou-a:
 
“Em meio à guerra civil, uma coalizão liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a aliança militar entre Estados Unidos e Europa, atacou as tropas de Kadhafi”.
 
Diferente da Síria, que se aliou à Rússia para enfrentar as forças da Otan, e resiste até hoje, Kadhafi se isolou e se tornou presa fácil para o Império.
 
O mesmo aconteceu com Saddam Hussein, no Iraque, em 2003, atacado pelas forças da Otan, capitaneadas pelos EUA de George W. Bush. Mesmo  contra resolução da ONU, “alegando que Saddan possuía armas de destruição em massa”, os EUA invadiram o Iraque. Depois o mundo descobriu que o Iraque não possuía as tais armas. Nem Saddan nem Kadhafi se renderam aos EUA. Morreram lutando defendendo o petróleo estatal!
 
Em nosso continente a versão da “Primavera Árabe” acarretou em varias tentativas golpistas na Venezuela. Em uma delas em 2002, afastaram o presidente, Hugo Chávez por 47 horas.  E agora tentam sem sucesso derrubar o sucessor de Chávez, Nicolas Maduro, que tem apoio da Rússia, o que torna mais difícil as tentativas golpistas. A Venezuela para quem não sabe possui a maior reserva de petróleo do planeta (12).
 
 No Brasil, em 2013, de olho no petróleo do pré-sal iniciaram o movimento “Ventos de Junho” uma onda de manifestações em todo o país, cujo o centro do protesto era um aumento irrisório de R$ 0,20 (Vinte centavos) na passagem de ônibus, culminando com uma passeata com hum milhão de pessoas no centro do Rio de Janeiro (7).
 
Depois várias manifestações foram realizadas em todo o país pedindo a saída de Dilma, do PT. Tiraram a Dilma e até hoje nada foi provado contra a presidenta e nosso petróleo está sendo entregue a preço de banana.
 
Aqui a desculpa para tirar a presidenta foi que ela Dilma teria praticado “Pedaladas Fiscais”. Nem isso conseguiram provar! E, no mesmo período, 16 governadores tinham realizado “Pedaladas Fiscais (3)”. Depois o mesmo Congresso Nacional, que tirou Dilma, transformou “Pedaladas Fiscais” em lei (4).
 
As passagens de ônibus hoje, 25/11/17 aumentam muito mais de vinte centavos e nada acontece; a gasolina e o gás de cozinha agora aumentam toda semana e nada acontece. A crítica, no governo de Lula e Dilma, é que a nossa gasolina era a mais cara do planeta,  entretanto o preço da gasolina nos governos do PT ficou congelado por mais de dez anos. Agora a gasolina realmente mais cara do mundo aumenta toda semana e nada de protestos e de bater panela!
 
O triste é que, no Brasil, como na Líbia, estão levando nosso petróleo. O golpista Misshel Temer é apontado como lobista direto para favorecer a Inglaterra (8). O tucano José Serra foi flagrado pelo Wikleaks, em 2009, quando candidato à presidência, oferecendo vantagens à Chevron estadunidense em prejuízo da Petrobrás. Mostrando sua saga entreguista, mesmo derrotado na eleição, Serra transforma,  em 2016, na vigência do golpe, sua promessa a Chevron na Lei 4567 (11).
 
Na Líbia, pós Gaddafi homens são vendidos:
 
"Alguém precisa de um escavador? Este é um escavador, um homem forte e grande", diz o responsável pelo leilão de seres humanos. "500, 550, 600, 650..." Em cerca de sete minutos, uma dezena de pessoas foi vendida” (9).
 
Paralelamente, a Petrobrás, em 2006, através do desenvolvimento de tecnologia inédita no mundo permitiu a descoberta do pré-sal. As reservas do Brasil hoje chegam a 100 BI de petróleo e, segundo vários geólogos e estudiosos do setor, nossas reservas podem alcançar 300 BI de barris.
 
No Brasil, onde nosso petróleo está indo embora para os gringos, com a Reforma Trabalhista, supermercado oferece vaga a R 230,00 mensais (10).
 
Mesmo diante desse sequestro do nosso petróleo e nossos direitos trabalhistas retrocedendo por 128 anos, voltando aos tempos anteriores à  lei Áurea,  de 13 maio de 1888, não há qualquer movimento de rua!
 
Mesmo diante das evidências de que esses movimentos foram organizados pelos EUA e seus aliados, você vai continuar a acreditar nas sucessivas tentativas golpistas como tarefa isolada da oposição na Venezuela, na espontânea Primavera Árabe, na ingenuidade dos movimentos “Ventos de Junho”, no bate-panelas contra a corrupção e no Fora Dilma?
 
 
 
Vania Justo Medeiros
Vania Justo Medeiros Trazendo tudo isso a tona talvez possamos compreender o que de fato acontece e aconteceu no Oriente,tudo tão deturpado pela mídia...hoje questiono tudo o que eu ouço na tv,porque sei que ali caiu muito dinheiro,e a notícia é manipulada ao interesse de alguém...
 
 
 
 
 
Rosane Meneghetti Kampmam
Rosane Meneghetti Kampmam Podemos transportar toda essa realidade para o Brasil e dar nomes aos bois: Operação Lava Jato, MBL, grande midia e cia. Todo aparato foi e está sendo usado para convencer o povo que vender o Brasil é a melgar saída. Como fazer isso com presidentes nacionalistas? Dando o golpe e tirando da presidência e impedindo outro presidente de candidatar-se, criminalizando-o de todas as formas. Esses são os EUA.
 
 
Triste
Grr
 
 · Responder ·   · 1 minuto
Gerenciar
João da Silva
João da Silva EUA e Inglaterra, também... estão todos no mesmo barco...
 

 
 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
Otica PetriU
Pesqueiro das Irmãs
Grandinox
comercial advogado
Banner esporte é vida
Alquimia
Banner Abraços
Rose Bueno Acessórios
Banner pedrão