Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Professores de escolas municipais participam de formação sobre Educação Financeira no PTI
  Data/Hora: 5.mar.2018 - 18h 24 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar

A intenção é que eles abordem o conteúdo nas matérias trabalhadas em sala de aula e que, com isso, as famílias também sejam atingidas

 

Da Assessoria - A partir dos quatro anos de idade, as crianças já podem ter noções sobre finanças, afirma o especialista em finanças comportamentais Altemir Farinhas. Entre fevereiro e março deste ano, Farinhas está ministrando um curso no Parque Tecnológico Itaipu (PTI) com cerca de 900 professores de escolas municipais de pelo menos 30 municípios da região Oeste do Paraná, em que aborda tanto a vida pessoal dos docentes como explica quais ferramentas e instrumentos podem ser trabalhados em sala de aula com os alunos.

 

O especialista em finanças afirma que o tema Educação Financeira não costuma ser trabalhado nas escolas, e que a intenção é que o assunto seja tratado transversalmente, ou seja, que a abordagem seja introduzida nas diversas disciplinas escolares. A formação é promovida pela área de Educação Financeira do PTI em parceria com a Itaipu Binacional, e foi oferecida a todos os 54 municípios que pertencem à Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop).

 

O técnico do PTI Alexandre Augusto Scherer, da área de Educação Financeira, conta que a formação dos professores, do 1º ao 5º ano, teve início no dia 26 de fevereiro e segue até o dia 20 de março. “É um conteúdo que nós vemos que falta na rede de educação e estamos tentando auxiliar no desenvolvimento dos municípios ao passar essas noções de finanças para as crianças”, afirma. Scherer explica que, até o ano passado, o treinamento era oferecido apenas para os municípios lindeiros, mas este ano foi ampliado.

 

O primeiro conteúdo que é trabalhado com os professores, conforme Farinhas, é a vida pessoal deles. “Como eles podem melhorar hábitos financeiros, como podem rever alguns conceitos”, diz. Isso porque os docentes são exemplos para os alunos. Outra temática abordada é o porquê aplicar a educação financeiras nas escolas. Segundo Farinhas, em 2013 mais de 45 países começaram a trabalhar o tema em escolas. No Brasil, isso acontece desde 2010, mas no PTI e na Itaipu a formação foi iniciada em 2007.

 

Por fim, o especialista ensina instrumentos e técnicas para que os professores possam educar financeiramente as crianças. A ideia é que o conteúdo seja tratado de forma transversal. “Sem adicionar uma aula a mais. Ou seja, os professores já trabalham conteúdos de português, geografia, história, e o que vai acontecer é a educação financeira permear essas matérias”, destaca. A intenção é que com a formação dos alunos, os pais também sejam atingidos. “Se conseguirmos mudar essas famílias, o Brasil não terá um número tão grande de endividados”. Os docentes que participam do curso também deverão ser multiplicadores da temática com os demais professores.

 

A coordenadora pedagógica de Assis Chateaubriand, Gisele Cassia Tamparowsky, acompanhou duas turmas de professores do município no curso e percebeu que eles ficaram bastante entusiasmados com a aaliação pessoal, e se mostraram confiantes com o trabalho que pode ser desenvolvido em sala de aula. De acordo com ela, todas as escolas municipais de Assis aderiram à formação.

 

Gisele espera que nos próximos anos mais professores participem do treinamento, para que mais pais e alunos sejam atingidos e seja criado maior interesse por parte da comunidade em tratar o assunto. “A sementinha com certeza foi plantada. Esperamos que, no ano que vem, os professores que não vieram tenham interesse em participar, e que seja uma ação que tenha continuidade, para que se torne um hábito”, ressalta.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Cerâmica Zanoni
Banner Juvenal
Bassani
Transmorgan
Banner Carl Hart
Banner Marlene
banner vende capeletti
Banner pedrão
Auditoria da Dívida Publica
Alquimia