Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Atendendo pedido do MPPR, Justiça suspende concurso público em São Miguel do Iguaçu por irregularidades e suspeitas de fraude
  Data/Hora: 2.out.2019 - 16h 56 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

O Juízo da Vara da Fazenda Pública de São Miguel do Iguaçu, no Oeste paranaense, determinou liminarmente a suspensão de um concurso público promovido pela prefeitura da cidade. A decisão atende pedido formulado pelo Ministério Público do Paraná, por meio da 1ª Promotoria de Justiça da comarca, em ação civil pública por ato de improbidade administrativa.

 

O MPPR constatou diversas irregularidades no procedimento que culminou com a contratação da instituição que organizará o concurso público. Há fortes indícios de fraude na contratação, que foi realizada sem licitação e sem atender aos requisitos legais para essa dispensa. A mesma empresa – que não tem sede comercial, apenas um endereço de referência numa casa em bairro residencial – é investigada por suspeitas de irregularidades em concursos conduzidos por ela em outras cidades do Paraná e de Rondônia.

 

Superfaturamento – A Prefeitura contratou os serviços da instituição por preço três vezes superior ao orçado pela mesma empresa para elaborar concurso semelhante em outro município paranaense próximo a São Miguel do Iguaçu. Além disso, ainda está dentro do prazo de validade concurso realizado pelo Município de São Miguel do Iguaçu em 2017, com candidatos aprovados em cargos semelhantes que aguardam convocação para tomar posse.

 

Não bastassem essas irregularidades, o prefeito ainda recusou-se a cumprir duas recomendações administrativas emitidas pela Promotoria, alertando quanto às ilegalidades do certame e indicando a necessidade de contratação de instituição pública para a realização do concurso.

 

Na análise do mérito da ação, o Ministério Público requer a condenação dos réus (o prefeito, a instituição e o secretário de Administração) às sanções previstas na Lei de Improbidade, como perda da função pública, suspensão dos direitos políticos e pagamento de multa.

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mães Fortes
Banner fotógrafo premiado
Banner Bolsonaro
Banner Bertold Brecher
Banner o fascismo
Rose Bueno Acessórios
Banner militares
banner vende apartamento II
Banner Graciliano Ramos
Banner pedrão 2018