Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
A violência das prisões
  Data/Hora: 8.fev.2020 - 12h 0 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

         Por João Baptista Herkenhoff -  Juiz de Direito aposentado (ES) e escritor.- E-mail: jbherkenhoff@uol.com.br

 

O Presidente da República defendeu o fim das audiências de custódia, que são uma das formas de reduzir o aprisionamento de acusados.

 

A implementação das audiências de custódia, no sistema judiciário brasileiro, começou a ser efetivada em 2015, por iniciativa do Conselho Nacional de Justiça, em parceria com o Ministério da Justiça e o Instituto de Defesa da Pessoa.

 

O Presidente também afirmou que a superlotação do sistema prisional não deve ser uma preocupação do Governo.

 

Vejo, com espanto, o orgulho de Governadores de Estado quando anunciam a construção de novos presídios.

 

São presídios cada vez maiores, sofisticados, com instrumental de segurança e até com a brutalidade do isolamento total do preso.

 

 Só falta colocar um bilhetinho na cela do preso que é isolado: “transforme-se em fera”.

 

Rousseau, debruçando-se sobre a realidade de seu tempo, disse que “abrir uma escola é fechar um presídio”.

 

Sua sentença permanece atual e ganha mais vigor ainda em nossa época.

 

Prisões marginalizam seres humanos, dilaceram personalidades, produzem o crime, fecham o futuro.

 

Dante, na “Divina Comédia”, colocou uma frase na porta do Inferno advertindo aos que ali entrassem.

 

Que deixassem de fora a esperança. (“Lasciate ogni speranza, voi ch’entrate”).

 

Esta afirmação de Dante Alighieri, referindo-se ao Inferno, encaixa-se às prisões, como as temos no Brasil.

 

Há prisões péssimas e prisões menos ruins. Prisão boa acredito que não haja. Nunca vi, em minha vida de juiz, alguém pleiteando ingresso numa prisão.

 

Uma série de alternativas podem reduzir o aprisionamento de pessoas a casos extremos.

 

Com um acompanhamento sério por pessoal competente, com a participação direta e pessoal dos magistrados, tanto na concessão de oportunidades que substituam o encarceramento, quanto no acompanhamento posterior da vida dos beneficiados, resultados surpreendentes podem ser alcançados.

 

A Associação de Familiares e Amigos de Presos afirma que a revista, a que as mulheres são submetidas quando vão visitar seus familiares, é outra grave e recorrente violência.

 

“A presa tem que se despir à frente de uma pessoa que nunca viu. Agachar duas vezes, de frente e de costas”.

 

Rosilda Ribeiro, coordenadora da Pastoral Carcerária para a Mulher Presa, explica que 45% do total de presas são provisórias – ou seja, ainda não foram julgadas.

 

A ex-presa Carla Regina relata que, em liberdade, enfrentou muitas dificuldades para conseguir emprego.

 

Esse preconceito a motivou a ajudar outras mulheres que passam pela mesma situação.

 

Hoje, ela acompanha a saída de presas da Penitenciária Feminina no Butantã e desenvolve um projeto para ajudá-las a retornar ao trabalho.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Teia da operação
Banner pedrão 2018
Banner Graciliano Ramos
Banner Teori
banner vende apartamento II
Banner Lei Lucas
Banner violência se limite
Banner Einstein
Otica PetriU
Bassani