Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Por 6x2 o Legislativo rejeita o pedido de ‘arquivamento do processo de cassação’ da Vereadora Flávia Dartora...
  Data/Hora: 13.fev.2020 - 14h 12 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Em sessão extraordinária realizada hoje pela manhã, o Legislativo Municipal de São Miguel do Iguaçu, sobre a presidência de Boaventura Motta (MDB), rejeitou por 6x2 o pedido de arquivamento do processo da Vereadora Flávia Dartora (PRB).

 

Votaram a favor do prosseguimento do processo os vereadores Professor Ari (PPL), Professor Preza (PSDB), Wando da Garagem (PSDB), Lafaiete (PSDB), Alfredo Júnior Mendes (PR) e Elton Somavila (PR - 2º suplente) – votaram pelo arquivamento do processo o presidente da Comissão Francisco Machado Motta (SD) e o relator Sílvio Murbak (SD).

 

Uma das surpresas nessa sessão foi à presença do Professor Ari, tendo em vista que ele havia renunciado a relatoria desse processo, por achar que estaria impedido de votar para não contaminar o processo, tendo em vista que ele faz parte do rol de testemunha contra a vereadora arroladas pelo MP nesse processo.

 

“Eu resolvi recorrer a Justiça para votar na última hora, tendo em vista que o meu suplente não havia deixado claro que votaria em favor do prosseguimento do processo”, nos disse Ari, hoje pela manhã, ressaltando que: “o mínimo que podemos fazer num caso como esse é abrir uma investigação para conhecermos a realidade dos fatos”, garante.

 

O relator, Silvio Murbak, por sua vez, nos disse que só assumiu a relatoria desse caso, tendo em vista que o Professor Ari havia se declarado impedido. “Por que o meu relatório foi a favor do arquivamento? Primeiro por que a Vereadora ainda não foi condenada em nada – o que existe é um afastamento temporário pela Justiça, onde ela poderá provar ou não a sua inocência – e mesmo por que, os casos relatados contra ela são anteriores ao seu mandato”, salienta.

 

Não conseguimos conversar com a Vereadora - mas o que se sabe extraoficialmente é que ela deve recorrer e continuar defendendo o seu mandato. “Trata-se de um julgamento político, tendo em vista a sua decisão de recorrer como candidata ao Executivo nessa eleição”, explica, ressaltando também que – “é possível que ela renuncie antes do julgamento deste processo de cassação no próximo dia 27 de fevereiro”.

 

O Presidente Boaventura Motta, por sua vez, que só votaria nesse pedido de arquivamento, caso houvesse empate, agradeceu a todos os envolvidos e nos bastidores tem usado de toda a sua habilidade como conciliador para que usem o bom senso. “Tudo isso aqui é passageiro – o que importa mesmo é que continuamos nos respeitando e agindo de acordo com o que manda a nossa consciência”, afirma. 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Calendário eleitoral
banner março 2020
Banner conar
Bassani
Banner emprego
Banner Lei Lucas
Banner Notre Dame
banner vende apartamento II
Banner pedrão 2018
Banner violência se limite