Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
O problema da alta do dólar para os trabalhadores pobres não é a Disney - mas sim, escolher entre o almoço e o jantar
  Data/Hora: 14.fev.2020 - 18h 9 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar

Por Marcelo Freixo, via redes sociais...

 

Num país em que metade da população vive com R$ 413 ao mês e a renda média das empregadas domésticas é menor do que um salário mínimo (R$ 897), o problema da alta do dólar para os trabalhadores pobres não é trocar a Disney por uma visita à "cidade onde Roberto Carlos nasceu", como ironizou Paulo Guedes - até porque a Disney nunca existiu. A questão é de sobrevivência: escolher entre o almoço e o jantar.

 

A alta da moeda americana aumenta o custo de vida da população e em consequência disso diminui o poder de compra dos salários. É fácil entender. Por exemplo, o preço do trigo no mercado internacional é baseado na cotação do dólar. Se o dólar sobe, o mesmo ocorre com o trigo e em consequência disso tudo que é produzido a partir dessa matéria-prima, como o pão francês e o macarrão, fica mais caro. Materiais de limpeza, de higiene pessoal e remédios, cujas matérias-primas são importadas, também ficam mais caros quando o dólar está muito valorizado.

 

Para as famílias que sobrevivem precariamente de bicos - hoje soubemos que a quantidade de gente no mercado informal chegou a 38 milhões -, para os desempregados e os 50% de brasileiros que ganham R$ 413 ao mês, os aumentos nos preços provocados pela alta da moeda americana são uma tragédia. O congelamento do salário mínimo proposto por Guedes, que já tentou taxar o seguro-desemprego, torna tudo ainda mais grave.

 

O ministro da Economia não debochou apenas da próxima viagem das empregadas domésticas, algo que nunca esteve no horizonte, ele zombou da luta das famílias pobres para sobreviver. Sobrevivência, aliás, que ele insiste em tornar cada vez mais difícil. 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner itaipulândia julho
banner itaipulândia julho II
Banner Lei Lucas
Banner laranja
Banner violência se limite
Banner conar
Calendário eleitoral
Rose Bueno Acessórios
Banner pedrão 2018
Banner emprego