Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Em sessão histórica – por 6x2 a Vereadora Flávia Dartora Fernandes teve o seu mandato cassado...
  Data/Hora: 28.fev.2020 - 4h 51 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Em sessão histórica, realizada ontem (27), por 6x2 o Legislativo Municipal de São Miguel do Iguaçu, cassou o mandato da vereadora Flávia Dartora (PRB), que havia se elegido em 2016 com uma expressiva votação – 1.118 votos.

 

Votaram contra o Relatório que pedia a absolvição da vereadora os vereadores - Alfredo Junior Mendes (PR), Professor Ari (PPL), Professor Presa (PSDB), Lafaiete Ganda Meira (PSDB), Wando da Garagem (PSDB) e Elton Somavila (PR),  segundo suplente da vereadora.

 

Votaram contra a cassação e a favor do Relatório: Francisco Machado Mota (SD) e Silvio Marcos Murbak (SD).

 

Mesmo sendo definido pelo vice-presidente, Professor Ari, como uma sessão cansativa e desgastante (cerca de quatro horas de duração) – o que vimos na realidade foi uma aula de civilidade – onde os direitos fundamentais e garantias individuais de todo e qualquer cidadão garantidos pela Constituição, foram lembrados e enaltecidos através de uma brilhante defesa feita pelo advogado Ijair Vamerlati.

 

Sua defesa foi tão brilhante que no final, o próprio presidente Boaventura Motta, mesmo tratando-se de um assunto forte e delicado, com a sua costumeira simplicidade e sinceridade não se conteve e disparou – “parabéns Dr. Ijair, suas palavras são tão bonitas que a gente tem vontade de comer com pão” – para em seguida complementar – “mesmo assim, acredito que não deve ter influenciado o voto de cada um dos vereadores que estão aqui que já tomaram a sua decisão”, arrancando sorriso e descontraindo o ambiente.

 

 A Sessão

Após a leitura da denúncia feita por Volmes Roberto Tschinkel (o popular Gaúcho que recentemente também teve o seu mandato cassado por esse mesmo Legislativo), que originou a abertura do processo de cassação, foi lida em seguida o Relatório dos trabalhos da Comissão Processante, cujo relator era o vereador Marcos Murbak (SD) e que pedia a absolvição da Vereadora.

 

Ao justificar o seu relatório logo após a sessão, Marcos lembrou que ele próprio tinha vivido algo semelhante em 2018, quanto através de uma Operação Policial (Rota Oculta), pela qual passou a ser investigado, teve o pedido de cassação rejeitado pelos próprios vereadores. “O meu parecer foi técnico e procurei não antecipar um julgamento antes de uma decisão judicial”, ressaltando que para concluir o seu relatório levou em consideração o que aconteceu a ele próprio – “no meu caso foi feito justiça – o pedido contra mim foi rejeitado e hoje estou provando na justiça com mais de 30 testemunhas que sou inocente”, pontifica.

 

O Professor Ari, por sua vez, que inicialmente tinha sido sorteado como Relator e que, posteriormente abriu mão por se achar impedido para essa função, lembrou que o seu voto a favor da cassação, foi técnico e fruto de um minucioso trabalho de investigação – “tivemos acesso à delação premiada feita pela então Diretora do CITEL que havia sido presa na operação e os fatos ali relatados são bastante impactantes e que não me deixou dúvida sobre o meu voto e dos demais desta Casa”, justifica Ari.

 

Segundo o advogado de defesa da vereadora, Dr. Ijair Vamerlatti, houve falhas na condução desse processo e existe a possibilidade do mesmo ser revertido na Justiça tendo como base o Art. 5º, Inc. I, do Decreto Lei 201/67, lembrando que, muito embora a denúncia por escrito tenha sido proposta por Volmer Roberto Tschinkel, no seu ponto de vista, o verdadeiro autor (inicial) foi o Vereador Vanderlei dos Santos, conforme ele próprio admitiu em vídeo divulgado amplamente pelo aplicativo WhatsApp –, entre outros fatos, segundo ele.

 

O que vem por aí?

 

Estamos em Ano Eleitoral e nós aqui da Redação, vamos aproveitar a boa vontade dos nobres edis, segundo o próprio Wando – “de fazer um trabalho sério e investigativo – exercendo de fato o cargo de vereador”, para lembra-los de uma série de fatos escabrosos e devidamente comprovados, muitos inclusive já julgados com decisão de primeira instância,  envolvendo vários não só o 'decoro' como a própria moral e a vida de todos que vivem em São Miguel do Iguaçu e que estão vendo o município patinando num verdadeiro mar de lama e corrupção sem precedente na sua história envolvendo dinheiro público...

 

Nos acompanhem... Precisamos voltar a crescer...

 

Precisamos voltar a pensar em Geração de Emprego e Renda e jamais se preocupar unicamente em financiamentos de campanha, para em seguida se locupletar com dinheiro público para garantir em um ou dois mandatos um belo padrão de vida para si e para os seus apaniguados de fazer inveja aos Xeiques de DUBAI... 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner laranja
banner vende apartamento II
Banner conar
Bassani
Banner Mirante
Banner pedrão 2018
Banner Notre Dame
Otica PetriU
Banner violência se limite
Banner emprego