Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Em tempo de COVID-19, nada melhor do que uma boa leitura e esse livro – “Ócio Criativo” do filósofo Domenico de Masi, é uma ótima dica...
  Data/Hora: 23.mar.2020 - 5h 2 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Em artigo publicado na Folha de São Paulo de ontem (22), o filósofo Domenico de Masi, nos lembra de que:

“a Itália de onde escrevo, um dos países mais vivazes e alegres do mundo, é hoje apenas um deserto”.

 

No seu ponto de vista, essa pandemia do Coronavírus “é o início de uma grande revolução no modo de vida que conhecemos” e que a mesma causará uma transformação profunda no planeta, nas relações econômicas e sociais – que é bom que se diga, já está causando com o afastamento social imposto em praticamente todos os países para conter a sua escalada...

 

 “Subitamente nos descobrimos frágeis pigmeus diante da onipotência imaterial de um vírus que, por vias misteriosas, escapou de um morcego chinês para vir matar homens e mulheres em nossas cidades”.

 

Acredita de Masi que a difusão da pandemia e sua volta ao mundo com uma rapidez extrema nos mostra que tentar deter a globalização é como se opor à força da gravidade – “nosso planeta já é aquela “aldeia global” da qual falava McLuhan, unida por infortúnios e pela vontade de viver, precisando de uma direção unitária, capaz de coordenar a ação sinérgica de todos os povos que desejam se salvar. Nessa aldeia global, nenhum homem, nenhum país é uma ilha”.

 

E Domenico fala com propriedade, tendo em vista que já expôs suas ideias sobre a sociedade e o trabalho em diversos livros, entre eles “A Emoção e a Regra”, o “Futuro do Trabalho” e no meu ponto de vista, o mais interessante – o “Ócio Criativo”, lançado em 1995, onde insatisfeito com o modelo social centrado na idolatria do trabalho, ele propõe um novo modelo baseado na simultaneidade entre trabalho, estudo e lazer – onde “os indivíduos são educados a privilegiar a satisfação de necessidades radicais, como a introspecção, a amizade, o amor, as atividades lúdicas e a convivência”.

 

Nessa obra, “o autor não se refere ao ócio como indolência, preguiça ou algo alienante. Pelo contrário, o ócio criativo aparece como uma combinação harmoniosa do trabalho, estudo e lazer.”


 "O ócio pode transformar-se em violência, neurose, vício e preguiça, mas pode também elevar-se para a arte, a criatividade e a liberdade. É no tempo livre que passamos a maior parte de nossos dias e é nele que devemos concentrar nossas potencialidades".

 

Para os dias atuais, onde estamos enfrentando um inimigo invisível que vem ceifando vidas e unindo propósitos, nada melhor do que dar uma mergulhada nesse livro, até por que, “o trabalho e a agilidade sempre foram supervalorizados” e, de repente fomos forçados ao isolamento social e a simples ideia de defender o ócio pode parecer “andar na contramão” – “mas, quando o assunto é o ócio criativo, a coisa muda de figura”.

 

Uma ótima leitura... Você pode encontrar o mesmo em PDF, buscando neste link - https://br.pinterest.com/pin/392165080033894059/

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Notre Dame
Bassani
banner vende apartamento II
Banner emprego
Rose Bueno Acessórios
Banner laranja
Banner Lei Lucas
Calendário eleitoral
banner março 2020
Banner violência se limite