Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
“Nos faltam dados para o enfrentamento da pandemia no Brasil”, diz infectologista Flávia Trench
  Data/Hora: 8.mai.2020 - 17h 10 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar
Da Assessoria - Foto: Unila - As decisões de fechamento e abertura do comércio estão sendo tomadas sem o embasamento em dados epidemiológicos robustos. Essa é a opinião da médica infectologista e docente do curso de Medicina da UNILA, Flávia Trench. A docente, que também é integrante do Comitê de Enfrentamento à Covid-19, reiterou que o isolamento social é a única ferramenta para evitar a disseminação do novo coronavírus. Porém, ela defende que são necessárias mais informações para garantir que o distanciamento tenha um resultado efetivo. “O problema da estratégia brasileira de enfrentamento à Covid-19 é que ela é feita sem dados. A gente tem um setor de epidemiologia pífio, temos subnotificação não só para coronavírus, mas também para doenças mais clássicas. E temos números de testagem igualmente insuficientes. Nós estamos tomando decisões para fechamento e, agora, para reabertura [do comércio], absolutamente no escuro. Nos faltam dados para o enfrentamento da pandemia no Brasil”, salientou a médica, durante entrevista no primeiro capítulo da nova temporada da websérie Fator Ciência. O programa na íntegra está disponível no Youtube da UNILA (https://www.youtube.com/unila) e no Spotify (https://bit.ly/UnilaCast)  

Informações compiladas pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, mostram que, atualmente, a proporção de testes para cada mil habitantes no Brasil é de 0,63 (ou 63 a cada 100 mil habitantes). Esse número colocou o Brasil entre os países que menos testam no mundo. “Nós testamos uma ínfima parte dos pacientes que precisaríamos testar para ter dados robustos, para explicar o que está acontecendo realmente, e que nos ajudem a tomar decisões”, acrescentou. Flávia coloca que o único dado que é levado em consideração na estratégia brasileira é a ocupação dos leitos de UTIs e enfermaria. “Mas esse é um número que pode mudar rapidamente, de um dia para o outro, principalmente se levarmos em consideração que um paciente grave de Covid-19 fica, em média, 14 dias na UTI entubado. Já há relatos de pessoas que ficaram mais de 40 dias internadas”, disse.

Com a implantação da testagem por amostra em Foz do Iguaçu, Flávia Trench espera obter dados mais realistas sobre a realidade local. “Isso é basicamente o que Israel, Singapura e a Coreia do Norte fizeram. Chamamos de 'buscar a doença'. Mas isso deve ser algo bem feito e bem planejado. É uma estratégia que salva a economia, salva vidas e evita o colapso do sistema de saúde”, explica.

Imunidade e vacina
Por ser uma doença nova – ainda sem vacina e sem tratamento medicamentoso preventivo –, ainda há muitas dúvidas sobre o comportamento do Sars-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19. Um dos questionamentos é se o paciente que já foi infectado obteria anticorpos que o impediria de ser novamente infectado pela doença, por um período de tempo. Segundo a médica Flávia Trench, ainda não há informações suficientes sobre a Codiv-19 para fazer essa afirmação. Ela cita como exemplo o comportamento de outros vírus. “Quando você se infecta de sarampo, por exemplo, você nunca mais terá sarampo. Já a gripe é diferente. O vírus é mutante e você pode voltar a se infectar um ano depois. Nós ainda não sabemos se o coronavírus vai se comportar como o sarampo, como a gripe, ou até de um jeito diferente”.

Por conta dessa dúvida, a orientação é que mesmo a pessoa que já tenha sido infectada deve continuar mantendo os hábitos de higiene, distanciamento e uso de máscaras. Todas essas práticas deverão ser seguidas por todos até, pelo menos, ter uma vacina desenvolvida e distribuída mundialmente. Algo que, segundo a pesquisadora, não deve acontecer antes de 2021. “Indo tudo bem com os estudos, a vacina sendo efetiva e segura, passando por todos os testes, não vamos conseguir contar com uma vacina antes de 2021. Eu cito muito o exemplo da H1N1. Naquela época, nós já sabíamos como desenvolver vacina para a gripe. Mesmo assim, demorou mais de um ano até conseguirmos uma vacina efetiva”, lembra Flávia.

Fator Ciência
A websérie Fator Ciência estreou, nesta sexta-feira (08), o primeiro capítulo da nova temporada, que será dedicada ao debate de diversos aspectos da Covid-19. Por conta do período de isolamento social, o programa está em novo formato e foi gravado à distância por meio da plataforma Zoom. Os capítulos serão divulgados sempre às sextas-feiras no canal da UNILA do Youtube e também em formato podcast no Spotify. Estão previstos debates sobre assuntos como o impacto econômico da pandemia, as origens do vírus e o mundo pós-coronavírus.
 

Foto - Flávia Trench é médica infectologista, docente do curso de Medicina e integrante do Comite Institucional de Enfrentamento à Covid-19. 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Notre Dame
banner itaipulândia julho II
Banner laranja
Banner Einstein
Banner Mirante
Banner Lei Lucas
Calendário eleitoral
Banner emprego
Banner pedrão 2018
Banner violência se limite