Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
LIBERTA PORQUE ESTAVA PRESTES A SER MÃE
  Data/Hora: 10.mai.2020 - 6h 29 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por  João Baptista Herkenhoff, Juiz de Direito aposentado (ES) e escritor -        Email – jbpherkenhoff@gmail.com

 

         Podem ter alma e paixão as sentenças que os juízes proferem?

 

Foto Ilustração - Divulgação/Internet - Sentenças e despachos devem ser frios, equidistantes dos dramas tantas vezes presentes nas questões judiciais?

         Pode a condição de Mãe fundamentar o despacho de soltura de uma acusada?

 

Essas perguntas despertam a curiosidade de muitas pessoas, não apenas daquelas ligadas ao mundo do Direito.

         A meu ver, o esquema legal da sentença não proíbe que ela tenha alma, que nela pulse a vida, e valores, e emoção, conforme o caso.

 

         Em várias oportunidades, os jornais têm registrado sentenças marcadas pelo sentimento, pela empatia, sem desdouro para os magistrados que as subscrevem.

 

          Na minha própria vida de juiz, senti muitas vezes que era preciso dar sangue e alma às sentenças.

Para que Justiça se fizesse, não bastava a construção racional de um silogismo.  

 

          Este artigo contém, no seu bojo, o despacho que libertou Edna, a que ia ser Mãe.

 

Esta peça judicial resume minha concepção do Direito.

Como devolver a Edna, protagonista do caso, a liberdade, sem penetrar fundo na sua sensibilidade, na sua condição de pessoa humana? Foi o que tentei fazer. 

 

Edna, uma pobre mulher, estava presa há 8 meses, prestes a dar à luz, porque fora apanhada portanto alguns gramas de maconha.

 

Dei um despacho fulminante, carregado de emoção e da ira santa que a injustiça provoca.

 

         Este despacho, quando a ele me refiro em palestras e cursos, encontra uma resposta tão forte junto aos ouvintes que penso ser adequado transcrevê-lo.

         Talvez a transcrição ajude a responder as indagações que colocamos no início deste artigo.

 

          Eis, pois, o despacho:

          "A acusada é multiplicadamente marginalizada: por ser mulher, numa sociedade machista; por ser pobre, cujo latifúndio são os sete palmos de terra dos versos imortais do poeta; por ser meretriz, desconsiderada pelos homens mas amada por um Nazareno que certa vez passou por este mundo; por não ter saúde; por estar grávida, santificada pelo feto que tem dentro de si, mulher diante da qual este Juiz deveria se ajoelhar, numa homenagem à Maternidade, porém que, na nossa estrutura social, em vez de estar recebendo cuidados pré-natais, espera pelo filho na cadeia. 

 

          É uma dupla liberdade a que concedo neste despacho: liberdade para Edna e liberdade para o filho de Edna que, se do ventre da mãe puder ouvir o som da palavra humana, sinta o calor e o amor da palavra que lhe dirijo, para que venha a este mundo tão injusto com forças para lutar, sofrer e sobreviver. 

 

         Quando tanta gente foge da maternidade; quando milhares de brasileiras, mesmo jovens e sem discernimento, são esterilizadas; quando se deve afirmar ao Mundo que os seres têm direito à vida,  que é preciso distribuir melhor os bens da Terra e não reduzir os comensais –  Edna engrandece hoje este Fórum, com o feto que traz dentro de si. 

 

         Este Juiz renegaria todo o seu credo, rasgaria todos os seus princípios, trairia a memória de sua Mãe, se permitisse sair Edna deste Fórum sob prisão. 

                            Saia livre, saia abençoada por Deus,

                          saia com seu filho, traga seu filho à luz,

                          que cada choro de uma criança que nasce

                 é a esperança de um mundo novo, mais fraterno, mais puro, algum dia cristão.

 

         Expeça-se incontinenti o alvará de soltura".

         Edna encontrou um companheiro e com ele constituiu família.  Mudou inteiramente o rumo de sua vida.  A criança, se fosse homem, teria o nome do juiz, conforme declarou em audiência.  Mas nasceu-lhe uma menina que se chamou Elke, em homenagem a Elke Maravilha.

 

         Onde estará Edna com sua filha?

         Distante que esteja, eu a homenageio.

Pela tarde em que a libertei, por essa simples tarde, valeu a pena ter sido juiz. 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner conar
Calendário eleitoral
banner março 2020
banner vende apartamento II
Banner violência se limite
Rose Bueno Acessórios
Otica PetriU
Banner Mirante
Banner Lei Lucas
Banner Notre Dame