Banner Primeiro Conart

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei! TODOS os outros.
  Data/Hora: 27.jun.2020 - 13h 14 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Délia Takua Martines, Denize Refatti e Rhuan Tardo

 

É certo que numa cidade tão religiosa quanto se pretende ser São Miguel do Iguaçu, seus moradores já devem ter ouvido a frase bíblica “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei”, que mesmo sendo tão curtinha está cheia de significados. Isto pode ser observado nas inúmeras doações que estão sendo realizadas por alguns comércios, professores do Colégio Teko Ñemoingo e pessoas em geral, ajudando muito a comunidade indígena Ava-guarani do Ocoy nesse momento de pandemia.

 

Mas é certo também, que algumas pessoas não conseguiram entender muito bem o que esta frase significa ou acham que a palavra “outros” da frase se refere apenas as outras pessoas que sejam da mesma cor, da mesma religião, da mesma sexualidade e se esquecem de amar e respeitar também aqueles “outros” que são os indígenas, os negros, os ciganos, os homossexuais, ou para resumir, aqueles “outros” que fazem parte de outras culturas ou grupos.

 

E porque estamos falando sobre isso agora?  Porque neste momento de pandemia, no qual o mundo todo está tentado sobreviver a um vírus que não escolhe cor, classe social ou etnia, os moradores da comunidade indígena estão precisando lidar com um problema ainda maior, o preconceito dos moradores de São Miguel do Iguaçu, que sempre esteve presente, mas está ainda mais latente neste momento.

 

Desde que foram divulgados os números de pessoas contagiadas pelo COVID-19, os Ava-guarani que moram na aldeia Ocoy estão sendo hostilizados nas ruas e nas redes sociais. A Ava-guarani Délia Takua Martines, estudante de pedagogia na Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE relata o que vem acontecendo nas últimas semanas:

 

“Algumas pessoas estão se aproveitando da situação, criticando as pessoas da aldeia com olhar preconceituoso. Nós não tivemos culpa de nada disso, estamos aqui com 170 famílias (aproximadamente 900 pessoas) e muitas dessas famílias tinham que ir para outro munícipio trabalhar no frigorifico e acabaram sendo contaminadas pelo Covid-19 e trazendo este vírus para a aldeia. Nós não tivemos muitas escolhas”, relata.

 

Segundo ela, já está sendo muito difícil para os próprios moradores da aldeia terem que conviver com esse problema – “e agora as pessoas da cidade já não recebem mais a gente como se fossem vizinhos de forma amigável. Quando vamos na cidade as pessoas nos olham distorcidas e temos até medo de ir quando precisamos. Não é que vamos apanhar, mas aquele olhar de raiva dói muito, dói mais que um tapa na cara. E nessa situação nós não somos diferentes de ninguém e temos direitos como todo mundo, de ir e vir, de comprar e entrar nas lojas se precisarmos sair para alguma situação. As pessoas falam que ganhamos tudo e que deveríamos ficar em casa. Como se isso fosse verdade. Se fosse verdade, não precisaríamos sair e correr riscos. Mas muitas pessoas precisam trabalhar e comprar comida, remédios, ir ao banco, muitas pessoas da aldeia trabalham em frigorífico”.

 

No seu ponto de vista, as pessoas deveriam pensar bem antes de criticar a aldeia – “já passamos por muita coisa e continuamos lutando. Nós precisamos de respeito e quando soubemos do primeiro caso confirmado na cidade, nós não tratamos as pessoas diferente, nós continuamos indo nas lojas, receber nosso salário e comprar o que precisávamos, nunca criticamos ninguém, nem mesmo nas redes sociais e em nenhum lugar. Nessa pandemia somos todos iguais, estamos passando pelos mesmos problemas e temos os mesmos direitos”, pontifica.

 

É importante que as pessoas compreendam que os Ava-guarani que testaram positivo para o Covid-19 não são mais contagiosas que os outros moradores do munícipio que também podem estar com o vírus. Portanto, merecem ser tratados e atendidas como qualquer outra pessoa.

 

Por fim, gostaríamos de destacar que os ataques virtuais discriminatórios feitos aos indígenas se enquadram como crimes de discriminação, sendo que os autores de tais comentários podem responder a processos judiciais.

 

(Texto escrito coletivamente por Délia Takua Martines, Denize Refatti e Rhuan Tardo ).

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Notre Dame
banner vende apartamento II
Banner violência se limite
Banner laranja
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Rose Bueno Acessórios
Banner conar
Calendário eleitoral
Banner Mirante