santa Itaipulândia

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Agropecuária em risco
  Data/Hora: 7.jul.2020 - 6h 25 - Categoria: Educação  
 
 
clique para ampliar
Por Mario Eugenio Saturno,
 
Junho foi um mês marcado por más notícias que afetarão os negócios agropecuários do Brasil em futuro próximo e que o governo Bolsonaro e seus ministros do Meio-Ambiente e de Relações Exteriores não conseguem enxergar. Para piorar, o ministro Salles é mostrado nas gravações da reunião ministerial aconselhando o presidente a aproveitar- se da morte de brasileiros pela Covid-19, uma vez que esse tema distrairia a imprensa. Lamentável!
 
 
Não foi surpresa que um grupo de 29 fundos de investimentos quer discutir com o governo brasileiro o aumento da devastação na floresta amazônica. E estes fundos somam US$ 4,1 trilhões (para saber o que esse valor significa, é mais do dobro do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no ano passado, que foi de US$ 1,8 trilhão.
 
 
Esse descontentamento começou no ano passado, depois que o aumento da devastação culminou na demissão do diretor do INPE, o físico Ricardo Galvão. Além da chuva de “fake news” que só engana os fãs do presidente.
 
 
O Mapbiomas, uma iniciativa de dezenas de universidades, ONG e empresas de tecnologia, analisou todos os alertas de desmatamento gerados por vários satélites. O desmatamento atingiu todos os biomas do país, sendo o Cerrado e a Amazônia os mais atingidos. Do total, 11%, foi registrado em unidades de conservação e quase 6% em terras indígenas. E mais, 99% de todo o desmatamento que aconteceu no Brasil não tinha autorização ou estava em áreas que jamais poderiam ser desmatadas.
 
 
O cientista Carlos Nobre alerta que o desmatamento na Amazônia em lugares acima da linha do Equador, como Colômbia, Venezuela e Estado de Roraima, tende a acontecer nos meses de dezembro a março, época de seca do hemisfério norte. Ao sul da linha do Equador, a maior parte da Amazônia brasileira, o desmatamento ocorre mais durante a estação seca que acontece em julho e vai até o começo de outubro.
 
 
Os destruidores de nossa rica flora cortam a floresta antes do período seco, esperam a floresta secar por uns dois meses, pois está tudo tão úmido que não pega fogo. E aí se abre o espaço para, quando começar a estação chuvosa, plantar grama para fazer a pastagem e, no começo do ano seguinte, trazer o gado.
 
 
O cientista lembra que o Exército chegou na primeira semana de maio, com milhares de homens, e não teve sucesso uma vez que o desmatamento de maio foi maior que o de maio de 2019.
 
 
O investimento na expansão agrícola e pecuária na Amazônia é um erro como já demonstraram os cientistas Ismael Nobre e Carlos Nobre, que escreveram um artigo para a Revista Futuribles, em que apresentam uma análise do que já foi feito na floresta e uma proposta de iniciativa, chamada de Projeto Amazônia 4.0, uma proposta que recusa a vocação do Brasil ser apenas uma potência agromineral, fornecedora de “commodities” para as nações industrializadas e pós-industrializadas (ver no meu blog).
 
 
Senadores e deputados federais e estaduais deveriam eleger como prioridade esta pauta também, enquanto há tempo, porque logo os consumidores europeus, norte-americanos e até chineses boicotarão nossos produtos.
 
 
Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano
 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner pedrão 2018
banner vende apartamento II
Banner conar
Banner violência se limite
Rose Bueno Acessórios
Banner emprego
Banner Mirante
Banner laranja
Bassani
Banner Einstein