Uniguaçu vestibular 2020

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Modos errados de orar
  Data/Hora: 12.nov.2020 - 10h 7 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno,

 

Em 15 de Outubro de 1989, o cardeal Joseph Ratzinger (depois Papa Bento), então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, escreveu a Carta aos Bispos da Igreja Católica Acerca de Alguns Aspectos da Meditação Cristã, aprovada pelo Papa João Paulo II.

 

Muita gente pensa que orar é simplesmente conversar com Deus, mas não é difícil imaginar que muitos arrogantes invocariam a própria ira de Deus (e sem perceber e entender).

 

Alguns textos do Novo Testamento (como 1 Jo 4, 3; 1 Tim 1, 3-7 e 4, 3-4) permitem reconhecer vestígios de que já nos primeiros séculos se insinuaram na Igreja modos erróneos de rezar. Em seguida, vieram dois extravios fundamentais: a pseudognose e o messalianismo. Dessa experiência cristã primitiva e da atitude assumida pelos Padres, pode-se aprender muito sobre o modo de enfrentar semelhante problemática contemporânea.

 

A pseudognose considerava a matéria como algo de impuro, que envolvia a alma numa ignorância, de que a oração devia livrá-la, e nem todos eram capazes disso, mas só os homens verdadeiramente espirituais. O messalianismo só valorizava a oração e desconsiderava os sacramentos. Modos heréticos de oração que vemos hoje em dia.

 

Contra o extravio da pseudognose, os Padres afirmam que a matéria foi criada por Deus e por isso não é má. Além disso, asseveram que a graça, cujo manancial é sempre o Espírito Santo, não é um bem próprio da alma, mas deve ser obtida de Deus como dom. Por isso, a iluminação ou conhecimento superior do Espírito (gnose) não torna supérflua a fé cristã. Por último, para os Santos Padres, o sinal autêntico dum conhecimento superior, fruto da oração, é sempre a caridade cristã (8).

 

Os messalianos, falsos carismáticos do século IV, identificavam a graça do Espírito Santo com a experiência psicológica da sua presença na alma. Contra eles, os Padres afirmaram que a união da alma orante com Deus se realiza através dos sacramentos da Igreja. Tal união pode realizar-se também por meio de experiências de aflição e de desolação. Contrariamente à opinião dos messalianos, a aflição e a desolação não constituem um sinal de que o Espírito tenha abandonado a alma. Pelo contrário, pode ser uma participação autêntica no estado de abandono de Nosso Senhor sobre a cruz, que é sempre o modelo e o mediador da oração (9).

 

Estes erros continuam a constituir uma tentação para o homem pecador, instigando-o a considerar o caminho de Cristo na terra, o único caminho ao Pai, como sendo uma realidade superada. E induzem também a rebaixar o que é concedido como pura graça a conhecimento superior ou experiência. Reaparecidas de vez em quando na história, tais formas errôneas parecem impressionar hoje novamente muitos cristãos, apresentando-se como remédio quer psicológico quer espiritual, e como processo rápido para encontrar Deus (10).

 

O leitor já deve ter identificado em muitas falsas religiões essa conversa de ficar superior ao adquirir certos conhecimentos. Essas ideias não são novas, nem avançadas, já estavam presentes desde o século IV.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
banner vende apartamento II
Rose Bueno Acessórios
Banner emprego
Banner Lei Lucas
Banner violência se limite
Bassani
Banner Mirante
Banner laranja
Banner pedrão 2018
Banner conar