banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
O sucesso que o Amazônia-1 representa
  Data/Hora: 8.mar.2021 - 22h 16 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

O lançamento do Amazônia-1 trouxe-me à memória a incrível saga para se ter esse satéite, especialmente os empecilhos da Justiça Brasileira e da busca de financiamento para terminar o satélite.

 

A Missão Espacial Completa Brasileira previa a Base Espacial de Alcântara, o foguete lançador e os satélites de coleta de dados e sensoriamento remosto. Em meados dos anos 1990, foi concebido o Satélite de Sensoriamento Remoto, sendo licitado em 1997, mas travado pela Justiça. Nenhuma surpresa, né?

 

No final de 2000, a gerência composta por Carlos Eduardo Santana, Jânio Kono e Marcos Quintino da Silva (os maiores especialistas que o Brasil teve) montaram uma nova equipe com novos integrantes como Roberto Lopes, Sebastião Varotto e eu, pessoas essenciais -os dois primeiros-. E, também, conceberam uma nova e mais moderna versão do SSR-1, Satélite de Sensoriamento Remoto. Havia algumas necessidades básicas, como usar câmaras grandes e evitar um fracasso certeiro.

 

O resultado inicial do projeto produzido pela equipe agradou tanto que, em setembro de 2001, ganhou novo status: Plataforma Multi Missão e com carga útil da primeira missão para observar a Amazônia. Em dezembro, somente metade do satélite foi licitado com sucesso, o medo da disputa judicial fez a gerência optar por cancelar a compra do sistema de controle de três eixos e de computação.

 

 Aí veio crise financeira do Brasil, mudança das chefias, que implicou em nova tentativa de desenvolver internamente, o que atrasou o projeto do início de 2003 até 20 de setembro de 2005, quando o grupo responsável estimou em 27 anos para cumprir a tarefa. De 2005 a 2008, foram anos dedicados também à busca de financiamento e de um parceiro que repassasse a tecnologia de controle. O governo prometeu recursos do CNPq que não vieram. Mas, parceiros, apareceram dois israelenses e três europeus. E que foram ouvidos para a elaboração da concorrência, para que todos tivessem a mesma oportunidade.

 

Parecia que fecharíamos 2008 com o projeto finalizado, mas um dos grupos tinha uma empresa parceira com índices contábeis ruins. A lei faculta ao órgão público aceitar com garantia ou recusar, considerando a tecnologia de ponta, optamos por apenas empresas com saúde financeira. Novamente, disputa na Justiça, e um juiz que quis forçar o INPE o que a lei facultava. Parece incrível, mas é verdade. Finalmente, o diretor Gilberto Câmara resolveu usar o acordo com a Argentina e fez uma compra da estatal argentina INVAP. E, hoje, temos o Amazônia-1!

 

O satélite monitorará o desmatamento e agricultura com uma alta taxa de revisita. Mas o principal ganho é a validação da Plataforma Multimissão (PMM), ganho em confiabilidade e a redução de prazos e custos para futuras grandes missões, aquelas da ordem de um bilhão de reais, que criaria um parque industrial competitivo e com ambições no mercado externo.

 

Deveríamos começar com um satélite radar de banda L para mapear geologicamente o Brasil e monitorar debaixo das copas das grandes árvores da Amazônia. Lembro que a Argentina já fez dois nos últimos anos e que este país tem um terço do nosso PIB.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Banner violência se limite
Banner Einstein
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner pedrão 2018
Banner emprego