banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
O Catálogo das Estrelas
  Data/Hora: 28.abr.2021 - 20h 53 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

Muita gente nem imagina que a Igreja Católica tenha cientistas a seu serviço desde muito tempo e mantenha alguns centros de pesquisa e muitas universidades. Não custa lembrar que Nicolau Copérnico era padre, bem como Gregor Mendel, Lazzaro Spallanzani e Georges Lemaitre.

 

Se a Ciência esquece a condição sacerdotal de muitos cientistas, esqueceu muito mais das mulheres que colaboraram. Não custa lembrar que Marie Curie só foi laureada com o Nobel por causa da insistência do marido Pierre. O mesmo destino de esquecimento segue para quatro freiras que catalogaram 481.215 estrelas. O Relatório Anual do Observatório do Vaticano de 2016 recordou essa interessante parte de sua história.

 

O novo Observatório do Vaticano foi feito pelo papa Leão XIII em 1891 que declarou que ele teria como objetivo: "para que o mundo veja que a Igreja apoia a ciência". E esse Observatório foi um dos 18 observatórios do enorme projeto Cart du Ciel, um dos primeiros projetos internacionais em astronomia.

 

Segundo a revista do Smithsonian, em abril de 1887, 56 cientistas de 19 países se reuniram em Paris para abraçar uma nova disciplina: a astrofotografia. O plano deles era ousado, usar 22.000 chapas fotográficas para mapear todo o céu. O trabalho foi dividido entre instituições da Europa e dos Estados Unidos, incluindo o Observatório do Vaticano.

 

O trabalho no Vaticano foi feito sob a direção de seu fundador, Padre Denza, até sua morte em 1894. Com a nomeação do primeiro diretor jesuíta, o padre John Hagen, da Universidade de Georgetown, ele imediatamente pensou em pedir ajuda às freiras, imitando diversos observatórios que contratavam legiões de mulheres. Em uma carta, datada de 13 de julho de 1909, à superiora geral das Irmãs da Santa Maria Menina, Madre Angela Ghezzi, pedia duas irmãs com visão normal, paciência e predisposição para o trabalho metódico e mecânico.

 

Segundo o arquivista do Observatório, pe. Sabino Maffeo, o conselho geral das irmãs não estava entusiasmado com o desperdício de duas freiras em um trabalho que não tinha nada a ver com caridade. No entanto, Madre Ghezzi via a vontade de Deus em cada pedido e deixou duas irmãs irem ao observatório. Depois, seguiu uma terceira e uma quarta irmã.

 

Padre Maffeo identificou as irmãs que fizeram essas medições essenciais: Irmã Emilia Ponzoni, Irmã Regina Colombo, Irmã Concetta Finardi e Irmã Luigia Panceri. Todas nascidas no final dos anos 1800 na região norte da Lombardia, perto de Milão.

 

O trabalho para as irmãs começou em 1910. O trabalho consistia em observar em um microscópio montado em um plano inclinado com uma luz brilhando sob uma fotografia em vidro de uma seção do céu noturno. Até 1921, as freiras determinaram o brilho e as posições de 481.215 estrelas em centenas de placas de vidro.

 

O árduo trabalho feito por apenas quatro freiras não passou despercebido na época. O papa Bento XV recebeu-as em uma audiência privada em 1920 e presenteou-as com um cálice de ouro. O Papa Pio XI também recebeu as “monjas da medição” oito anos depois, dando-lhes uma medalha de prata.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Rose Bueno Acessórios
Banner emprego
Banner violência se limite
Banner Mirante
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Bassani