banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Alerta Antibiótico
  Data/Hora: 21.jun.2021 - 9h 3 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou em abril o relatório "2020 Antibacterial agents in clinical and preclinical development" que é um alerta para o mundo que estão fracassando as pesquisas para desenvolver novos tratamentos antibacterianos necessários e apesar de todos estarem cientes sobre a resistência dos patógenos aos antibióticos.

 

O impacto da resistência antimicrobiana é mais grave em ambientes com recursos limitados e entre grupos vulneráveis, como recém-nascidos e crianças pequenas. Pneumonia bacteriana e infecções da corrente sanguínea estão entre as principais causas de mortalidade em crianças abaixo de 5 anos. Aproximadamente 30% dos recém-nascidos com infecção no sangue morrem devido à resistência a vários antibióticos de primeira linha.

 

O relatório anual analisa os antibióticos desde os que estão em desenvolvimento inicial até os que estão em estágios clínicos de teste. O objetivo é avaliar o progresso e identificar lacunas em relação às ameaças urgentes de resistência aos medicamentos e encorajar ações para preencher essas lacunas. O documento avalia o potencial dos antibióticos candidatos para lidar com as bactérias resistentes mais ameaçadoras, descritas na Lista de Patógenos Bacterianos Prioritários da OMS (WHO PPL). Essa lista, que inclui 13 bactérias resistentes a medicamentos prioritárias, tem informado e orientado áreas prioritárias para pesquisa e desenvolvimento desde sua primeira publicação, em 2017.

 

O relatório da OMS revela que nenhum dos 43 antibióticos que estão atualmente em desenvolvimento clínico resolvem o problema da resistência das bactérias mais perigosas. A falha persistente em desenvolver, fabricar e distribuir novos antibióticos eficazes ameaça nossa capacidade de tratar infecções bacterianas com sucesso.

 

O relatório revela uma linha de pesquisa quase estática, com apenas alguns antibióticos sendo aprovados por agências regulatórias nos últimos anos. A maioria desses agentes em desenvolvimento oferece benefício clínico limitado em relação aos tratamentos existentes. E 82% dos antibióticos aprovados recentemente são derivados de classes de antibióticos existentes desde a década de 1980, com resistência aos medicamentos bem estabelecida. Portanto, é esperado um rápido surgimento de novos agentes com resistência aos novos medicamentos.

 

O relatório, pela primeira vez, inclui medicamentos antibacterianos não tradicionais e destaca 27 agentes antibacterianos não tradicionais, variando de anticorpos a bacteriófagos e terapias que apoiam a resposta imunológica do paciente e enfraquecem o efeito da bactéria.

 

Como apenas uma fração dos medicamentos em teste chegará ao mercado devido aos desafios econômicos e científicos, somado ao pequeno retorno sobre o investimento de antibióticos bem-sucedidos que limita o interesse dos principais investidores privados e da maioria das grandes empresas farmacêuticas, é preciso que os governos ajam, seja financiando projetos privados e projetos em universidades e institutos públicos. É preciso que deputados e senadores atuem com vigor nessa área imediatamente.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
Banner Mirante
Banner emprego
Banner Einstein
Banner pedrão 2018
Banner violência se limite
Rose Bueno Acessórios