banner coronavírus março

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Atravessaram o Rubicão
  Data/Hora: 16.ago.2021 - 7h 2 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

O desfile de soldados e veículos de guerra em um dia não cívico e avisado de véspera soa como uma ameaça aos poderes Legislativo e Judiciário do Brasil, como se o Executivo fosse o beneficiário dessa afronta, pobre Bolsonaro, vive em um mundo próprio, bipolar. Essa ameaça que a soldadesca insistiu em fazer foi um movimento contra a Constituição, logo, um ato de traição. Contudo, soldado trair a Constituição e o próprio povo não é novidade neste país, só que a última foi em 1968.

 

Os militares atravessaram o Rubicão, tal como fez Júlio César em 10 de janeiro de 49 a.C., desrespeitando a lei estabelecida pelo Senado. Mas nosso presidente não é Júlio César, nem está à altura de um Nero de Hospício, e esses soldados estão distantes da gloriosa legião romana. Aliás, se os Almirantes da Marinha tivessem lido César, aquele tanque fumarento ficava na oficina ou desviava por um caminho anônimo, desmereceu o equipamento militar nacional na TV em cadeia global.

 

Para quem não conhece, o rio Rubicão, estabelecia a fronteira entre o território de Roma e a província de Gália Cisalpina naquela época e era proibido que os generais entrassem em Roma, era um ato de traição e declaração de guerra civil. O episódio histórico, registrado pelo historiador Caio Suetônio Tranquilo, que tornou famoso o rio, teve Caio Júlio César como protagonista, ao final das guerras gaulesas (58 a.C. - 51 a.C.). César percebeu o complô que o Senado armara contra ele, atravessou o rio para a guerra, quando, então, teria dito: anerriftho kubos!

 

Uai, não foi "alea iacta est"? Não, não foi, disse em grego antigo, mas os historiadores traduziram para essa frase conhecida. Aliás, há discussão sobre a tradução de Suetônio: "iacta alea est", provavelmente um erro de transcrição levou à perda da última letra, mudando "esto", futuro imperativo segunda pessoa do singular, em "est", indicativo presente da terceira pessoa do singular, assim "iacta alea esto" parece ser a frase correta, que traduzindo: que os dados sejam lançados!

 

Pensando bem, aquele tanque fúmido parece-se com a lógica ilógica da Petrobrás que quando se roubava, o diesel e a gasolina eram baratos e, depois, com o governo honestíssimo de Bolsonaro o preço subiu 51% e 40% só neste ano!? Com a crise energética para o fim do ano, a instalação de coletores de energia solar nas casas seria parte da solução, mas a equipe incompetente só pensa em termelétrica.

 

Se a inflação assusta, a condução da guerra contra uma doença evitável que acontece primeiro em outros países, a saber, da Europa, da América do Norte, e alguns da Ásia, é um desastre, uma incompetência gigante pela própria natureza, estratégicos trágicos que previram 800 mortes, mas devemos chegar a 800 mil mortos, em vão, se novos mutantes não aparecerem.

 

Pensando melhor, atravessaram o Rubicão quando o presidente elegeu o governador Dória de São Paulo e o ministro Mandetta como inimigos, abandonando o bom senso que esses e muitos outros traziam à Pátria Amada. E até quando esperará o braço forte de deputados federais a mãe gentil?

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
banner vende apartamento II
Banner Mirante
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner violência se limite
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Banner emprego