banner dengue SMI

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Justiça faz justiça? Supremo condena Deltan a indenizar Lula sobre o “famigerado” PowerPoint
  Data/Hora: 23.mar.2022 - 6h 27 - Colunista: João Maria  
 
 
clique para ampliar

Fotos: Divulgação/Internet - Sobre o significado da palavra “famigerado” que uso nesse título, a qual significa algo famoso, uma celebridade – foi a impressão primeira que o PowerPoint, tentou passar naquele momento diante dos holofotes da grande mídia.

 

Hoje, depois da decisão sábia e profícua do STF, daria para criar uma nova palavra em cima desse fato acrescentando mais um ‘d’ e um ‘i’ – tipo ‘fami-digerado’ – que vem de digerir – como se o PowerPoint, tivesse sido transformado pela digestão do seu criador na busca pela fama.

 

Conto isso, não para brincar com as palavras, mas sim, para entrar no mérito deste julgamento que levou o ex-procurador da República, Deltan Dallagnol, a ter que pagar uma indenização de R$ 75 mil por danos morais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ataques à honra durante a entrevista deste famigerado PowerPoint.

 

Segundo os ministros as expressões: “o grande general” e "propinocracia", usadas por Deltan, além de serem pejorativas e com o intuito de ferir a imagem do ex-presidente, elas não constavam na denúncia contra Lula.

 

Indo um pouco mais além, ou melhor, procurando visualizar o que significou esse PowerPoint não só na vida do ex-presidente e para a Democracia do nosso país, nos faz lembrar o genial filósofo Lúcio Sêneca que nasceu no ano 4aC, quando ele nos fala sobre a beleza da virtude, que é o que se espera de qualquer membro do Poder Judiciário ou da Promotoria que estão lá para promover e defender um dos maiores bem da humanidade – a JUSTIÇA.

 

Ensina o filósofo sobre a virtude: “Esse espírito, que os jovens de nobre criação frequentemente assumem, quando são tão profundamente agitados pela beleza de algum objeto honrado que desprezam todos os caprichos do acaso, é seguramente infundido em nós e comunicado pela sabedoria.”

 

E prossegue: “A sabedoria trará a convicção de que só há um bem – o que é honroso; que não pode ser encurtado nem estendido, não mais do que a régua de um carpinteiro, com que as linhas retas são testadas, pode ser dobrada. Qualquer mudança na régua significa estragar a linha reta.”

 

Acredito que, se o filosofo estivesse hoje sentado numa das cadeiras do STF nesse julgamento, iria aplicar essa mesma figura a JUSTIÇA, dizendo: “a Justiça também é reta, e não admite dobra.” Ou seja, os nobres membros do STF, teriam que ir muito mais fundo nesta questão e abranger todo o panorama que esse “famigerado” PowerPoint impactou na vida de todos nós – colocando em suspeição todos os envolvidos em primeira e segunda instância.

 

Como alguém que faz o que fez deliberadamente pode estar hoje livre, leve e solto pedindo voto para a população? Vão deixar esse senhor das Capitanias Hereditárias, talvez, ter uma nova oportunidade de apresentar um novo PowerPoint no Congresso ou no Senado?

 

Me desculpem, condená-lo a pagar uma ‘merrequinha’ dessa de R$ 75.000,00 é a negação da Justiça. O pedido de R$ 1.000.000,00 que os advogados do ex-presidente Lula tinham solicitado não pagariam nem um décimo do sofrimento que ele pessoalmente teve ficando 586 dias retidos em Curitiba para que o golpe aplicado contra a Dilma, em 2016, pudesse prosseguir destruindo a nossa economia e impactando a vida de todos nós.

 

 

A defesa de Lula afirmou que a entrevista coletiva de Deltan em setembro de 2016, “se transformou em um deprimente espetáculo de ataque à honra à imagem e à reputação” do ex-presidente. Foi pedido R$ 1 milhão em reparação por danos morais, mas após discussão, os magistrados fixaram a indenização em R$ 75 mil. Corrigido desde o mês em que a entrevista foi concedida, o valor final será superior a R$ 100 mil.

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner pedrão 2018
Banner Einstein
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner violência se limite
Banner Mirante
Banner emprego