banner dengue SMI

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Argentinos dominam o espaço
  Data/Hora: 18.jul.2022 - 14h 33 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Mario Eugenio Saturno, 

 

Em 5 de dezembro de 2013, participei da revisão preliminar da missão espacial conjunta entre Brasil e Argentina, o satélite Sabia-Mar - Satélite Argentino-Brasileiro de Informação Ambiental do Mar. Nessa época, a cooperação já apresentava problemas, não pela Argentina que sofre crise econômica muito maior que a nossa há décadas, mas entende bem a prioridade espacial.

 

Em 8 de junho último, na Argentina, durante as comemorações do Dia Mundial dos Oceanos, data destinada a aumentar a conscientização sobre o impacto da atividade humana no mar e a necessidade de cuidar desse recurso vital para o nosso planeta, a CONAE - Comisión Nacional de Actividades Espaciales, destacou a contribuição dos satélites para a gestão do meio ambiente e a nova missão espacial SABIA-Mar que contribuirá para o estudo do mar e das costas da Argentina e da América do Sul. Informou que este satélite está atualmente em fase de construção e seu lançamento está previsto para 2024...

 

Pois é, este satélite teria o custo dividido entre o Brasil e a Argentina, com o desinteresse brasileiro, os argentinos assumiram todos os custos, até mantiveram a sigla, mas mudaram o nome, agora é Satélite de Aplicaciones Basadas en la Información Ambiental del Mar.

 

A Argentina criou a Comissão Nacional de Pesquisas Espaciais (CNIE) em 1960, sob a administração da Força Aérea, substituída pela civil CONAE em 28 de maio de 1991. Neste mesmo ano firmou um acordo com a NASA. Tiveram que abandonar o desenvolvimento de foguete. O Brasil não fez o acordo, então entramos na lista negra dos Estados Unidos da América, no famigerado ITAR, International Traffic in Arms Regulations.

 

Enquanto o "Department of Defense" boicotava a venda de componentes e serviços para o INPE por conta de um foguete condenado ao fracasso pela falta de verbas (VLS), os argentinos aprendiam na NASA durante o desenvolvimento dos Satélites de Aplicações Científicas (SAC).

 

Em 4 de novembro de 1996, foi lançado o primeiro satélite argentino, o SAC-B, para estudar a física solar e astrofísica, pelo foguete Pegasus, o mesmo utilizado pelo Brasil para lançar os dois SCD. Infelizmente o foguete falhou.

 

Então, vieram os bem sucedidos SAC-A em 1998, SAC-C em 2000, SAC- D em 2011, ARSAT-1 (geoestacionário de telecomunicações) em 2014 e SAOCOM-1A (radar de banda L, não esses que os militares brasileiros compraram e que não nos interessa) em 2018. Estes três últimos, tive oportunidade de acompanhar in loco o desenvolvimento, em 2009 e 2010, quando estive na INVAP acompanhando o desenvolvimento do sistema de controle de atitude (apontamento) e órbita do Amazonia-1. Depois, em 2015, lançaram ARSAT-2, e o SAOCOM-1B em 2020.

 

Ah! Claro! Em 1998, a Argentina criou a estatal de capital aberto VENG para desenvolver foguetes, os chamados Tronador. Já estão trabalhando no Tronador III que tem dois estágios, 28 metros de altura, 90 toneladas, diâmetro de 2,5 m e lançará 750 kg de carga útil em uma órbita de 600 km.

 

Enquanto isso, nossos políticos camuflam 19 bilhões de reais em um escandaloso orçamento secreto. Essa é a Prioridade tupiniquim.

 

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner violência se limite
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Banner Mirante
Bassani
Banner pedrão 2018
Banner emprego