banner dengue dezembro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Gleisi denuncia privatização da Copel, empresa lucrativa e de soberania nacional
  Data/Hora: 27.jun.2023 - 16h 18 - Categoria: Politica  
 
 
clique para ampliar

Da Agência PT - A presidenta Nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PT-PR), denuncia a privatização da Companhia Paranaense de Energia por parte do governador Ratinho Junior (PSD). A Copel é eficiente, lucrativa e a maior empresa do Estado do Paraná, com mais de 6 mil profissionais.

 

Em suas redes sociais, Gleisi publicou: “França acabou de concluir o processo de reestatização da maior empresa de energia do país. Sabe por quê? Por conta da tarifa alta. E o Brasil continua ultrapassado nessa discussão. Foi a Eletrobras e agora Ratinho Jr quer vender a Copel. Quem paga a conta por tanta visão retrógrada é o povo. Salvem a Copel!”.

 

O governo da França concluiu neste mês a reestatização da Électricité de France (EDF), a maior geradora de energia elétrica do país. O governo francês comprou 99,99% das ações da empresa para manter sob controle do poder público a soberania do setor energético e baratear o custo da energia.

 

O presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR) e engenheiro eletricista, Leandro José Grassmann, ressalta a importância do setor energético para a soberania nacional de um país, é “óbvio”. “A França reestatizou energia recentemente. Alemanha está indo no mesmo caminho. Os Estados Unidos mantêm a geração de energia nas mãos do exército desde sempre”, comenta.

 

Criada em 26 de outubro de 1954, com controle acionário do Estado do Paraná, a empresa possui valor de mercado de aproximadamente R$ 21,6 bilhões. A companhia, terceira maior do Sul do Brasil, é uma empresa integrada, responsável por transmissão, distribuição e comercialização de energia.

 

De acordo com Grassmann, a Copel dá lucro há décadas. “Nos últimos anos, o lucro variou de R$ 1 bilhão a R$ 5 bilhões. E disso tudo, chegam a distribuir de 65% a 80% aos acionistas”, afirmou Grassmann.

 

Em novembro de 2022, a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou a Lei 21.272/22, abrindo caminho para o processo de privatização. Até então, a Copel era obrigada a ter pelo menos 60% das ações em seu poder. Após a lei, não mais!

 

“Embora se fale em manter de 15% a 17% das ações, a lei permite que o governo do Paraná detenha somente 10% caso queira ter direito a veto e menos que isso se abdicar dessa prerrogativa”, disse o presidente do Senge-PR.

 

Segundo ele, o cronograma de venda está muito avançado. “Faltam somente duas etapas para que a venda ocorra. A primeira é uma assembleia de acionistas para alterar o estatuto para que a venda seja possível, que vai ocorrer em 10 de julho e deve ser exitosa. A segunda é disponibilizar, em seguida, a venda das ações na B3. A Copel trabalha com a data de fim de julho para fechar o processo”, afirmou Grassmann.

 

O engenheiro elétrico questiona a justificativa de venda por parte do governo. “O mais curioso é aquele argumento segundo o qual o Paraná continuará dono da Copel. Vírgula. Seguirá dono de, no máximo, 10% das ações. É isso que está em jogo, deixar 90% das ações nas mãos da iniciativa privada.”

 

Na luta com a presidenta Gleisi contra a privatização e a defesa da Copel pública está o Sindicato dos Engenheiros do Paraná. “O Senge-PR participa do Fórum em Defesa da Copel, movimento que integra mais de 50 entidades. Estamos fazendo manifestações, distribuindo material para esclarecimento da população, participamos de programas de rádio e podcasts. Acompanhamos as audiências públicas realizadas pela Alep. Fomos a Brasília pedir apoio aos ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e da Secretaria-Geral da Presidência da República, Márcio Macedo, para tentar impedir a venda”, comenta Grassmann.

 

Agência PT

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Mirante
Banner violência se limite
Banner emprego
Rose Bueno Acessórios
Banner Einstein
Banner pedrão 2018
Bassani
Banner Exposição