banner itaipulândia junho

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Itaipu contribui para a moderação na tarifa de energia do Brasil, diz diretor financeiro da usina
  Data/Hora: 10.nov.2023 - 16h 40 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 
clique para ampliar

Em evento da ABRAPCH, André Pepitone afirmou que a Binacional tem a terceira energia mais barata do País

 

Da Assessoria – fotos: Sara Cheida / Itaipu Binacional - O diretor financeiro de Itaipu, André Pepitone, disse nesta quinta-feira (9), no evento ABRA-tec - Inovações Tecnológicas e Sustentabilidade Socioeconômica e Ambiental das Hidrelétricas, que a usina binacional tem contribuído de forma significativa para a modicidade da tarifa de eletricidade do Brasil. O encontro aconteceu nas instalações do Parque Tecnológico Itaipu, na área da usina.

 

Segundo o diretor, com a quitação da dívida da construção da hidrelétrica, no dia 28 de fevereiro de 2023, a realidade de Itaipu no setor elétrico mudou. “Ao observarmos o valor do MWh (megawatt-hora) nos leilões realizados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, o custo da energia de Itaipu é o terceiro mais barato”, afirmou. 

 

Só é mais barato que Itaipu o custo das usinas cotistas da Lei número 12.783/13 e o das usinas hidrelétricas do Rio Madeira - Santo Antônio e Jirau - e do Rio Xingu - Belo Monte. 

 

“Hoje, se a gente pegar o preço médio de aquisição de energia de todas as distribuidoras das quais a Itaipu é cotista, a energia de Itaipu entra abaixo do preço médio, puxando o valor da energia para baixo, ou seja, contribuindo para que o consumidor brasileiro pague uma energia mais barata”, concluiu.

 

Tarifa

O modelo financeiro adotado em Itaipu é o da Receita pelo Custo, isto é, a receita é estabelecida para a plena cobertura dos custos, sem apuração de lucro. As despesas de exploração incluem os gastos relativos à prestação dos serviços de eletricidade, incluindo operação e manutenção, assim como gastos de administração e investimentos no campo da responsabilidade social e ambiental. 

 

Outro gasto previsto é o de rendimento de capital: 12% ao ano sobre sua participação no capital integralizado, pagos à Ande (estatal paraguaia) e à ENBpar (Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional).

 

Pepitone com a presidente da ABRAPCH, Alessandra Torres 

 

Há ainda nos custos o pagamento de royalties pela utilização do potencial hidráulico e o ressarcimento dos encargos de administração e supervisão, pagos a Ande e ENBpar.

 

O Custo Unitário do Serviço de Eletricidade (CUSE) da Itaipu atingiu, em 2023, o menor valor histórico, depois da renegociação da dívida de construção da usina, cuja última parcela foi paga em 28 de fevereiro de 2023, quando foram repassados US$ 107 milhões ao BNDES e US$ 8 milhões à Eletrobras.

 

Comercialização de energia

Pepitone também fez questão de ressaltar que, de acordo com o Tratado de Itaipu, a aquisição da energia elétrica produzida pela usina só pode ser feita pela Ande, e pela ENBpar. “Não há previsão de comercialização para outras entidades", afirmou.

 

O diretor destacou ainda que a Binacional tem um diferencial em relação a outras empresas do mercado. “Primeiro, por ser uma binacional e, segundo, porque tem que gerar energia e também promover o desenvolvimento socioambiental da região."

 

"Mesmo com o custo do programa socioambiental, Itaipu alcança hoje um valor altamente competitivo no mercado. De novo, um valor abaixo do custo médio das distribuidoras, do ACR médio, que é a média de preço do País”, reforçou.

 

Ações socioambientais

O diretor financeiro executivo lembrou que, além da sua importância na produção de energia elétrica, a usina binacional beneficia hoje, diretamente, em sua área de abrangência, 17.704.000 pessoas. São cerca de 11 milhões de brasileiros e brasileiras, entre o Paraná e o Mato Grosso do Sul, e toda a população paraguaia, estimada em 6.704.000 habitantes.

 

O número de brasileiros(as) aumentou com a ampliação da área de atuação da usina para todos os 399 municípios do Paraná e 35 do Mato Grosso do Sul. Em 21 de julho deste ano, o Conselho de Administração de Itaipu aprovou o programa “Itaipu Mais que Energia”, que prevê o investimento de 931,5 milhões nesses municípios, especialmente nas áreas social e na inclusão.

 

Pepitone explicou que os investimentos de Itaipu no campo da responsabilidade social e ambiental foram reforçados ainda no ano de 2005, pela Nota Reversal 228, trocada entre o Brasil e o Paraguai, que prevê que essas atividades "devem inserir-se como componente permanente na atividade de geração de energia, de acordo com a missão, políticas e diretrizes fixadas, ou que vierem a ser fixadas, pelo Conselho de Administração da entidade binacional".

 

Segundo ele, essas negociações entre os dois governos, a respeito de Itaipu, são resultado já das primeiras discussões que deram origem à hidrelétrica binacional. Com a assinatura do Tratado de Itaipu, que este ano completou cinquenta anos, começaram a ser criados entre os dois países laços cada vez mais fortes e que se traduziram em investimentos nas mais diversas áreas.

 

Anexo C

Com a quitação da dívida, o Brasil e o Paraguai se preparam para negociar o Anexo C do Tratado de Itaipu, que trata das bases financeiras e de prestação dos serviços de eletricidade. Quando o Tratado foi assinado, previu-se que as disposições do Anexo C seriam revistas após 50 anos, levando em conta, entre outros aspectos, o grau de amortização das dívidas contraídas pela Itaipu para a construção e a relação entre as potências contratadas pelos países.

 

A negociação do Anexo C caberá, conforme disposto no Tratado de Itaipu, aos Ministérios das Relações Exteriores dos dois países, com o apoio das autoridades das respectivas áreas de energia e dos setores elétricos. “O papel de Itaipu é o de subsidiar tecnicamente o trabalho das Altas Partes nessa negociação”, comentou.

 

Benefícios

Os benefícios ambientais trazidos a partir da entrada em operação de Itaipu incluem a absorção de CO2 nas áreas protegidas e a redução de emissões, que, nesses quase 50 anos, atingiu 2,94 milhões de toneladas de CO2 equivalente por ano.

 

Para a população da área de atuação de Itaipu, só os últimos investimentos da usina, na margem brasileira, passam de R$ 1,6 bilhão em obras de infraestrutura, entre as quais a Ponte da Integração (e Perimetral Leste), a iluminação do trecho urbano da BR-277 e um trecho da Estrada da Boiadeira, além da expansão do aeroporto de Foz do Iguaçu e a duplicação da Rodovia das Cataratas, em execução.

 

Sobre os projetos estratégicos, Pepitone citou os investimentos na revitalização do Sistema de Corrente Contínua associado à usina de Itaipu (HVDC), no valor de US$ 380 milhões, a Atualização Tecnológica da Usina, no valor de US$ 956 milhões, e a contribuição de Itaipu para o novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), nos próximos quatro anos, com um aporte de US$ 889 milhões.

 

“Todos esses compromissos trazem benefícios aos consumidores nacionais e promovem o desenvolvimento social e econômico de ambos os países, com a manutenção da competitividade e da sustentabilidade financeira da entidade binacional”, informa.

 

ABRA-tec

O evento ABRA-tec - Inovações Tecnológicas e Sustentabilidade Socioeconômica e Ambiental das Hidrelétricas acontece no Auditório Cesar Lattes, no PTI. A iniciativa é da ABRAPCH - Associação Brasileira de PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas) e CGHs (Centrais Geradoras Hidrelétricas).

 

Na abertura do evento, a presidente da ABRAPCH, Alessandra Torres, disse que as inovações tecnológicas têm desempenhado um papel significativo na promoção da sustentabilidade socioeconômica e ambiental dos setores da energia. “As hidrelétricas oferecem benefícios e mitigações socioambientais, em especial as de pequeno porte. As PCHs e as CGHs são empreendimentos que têm sustentabilidade, são ativos de descarbonização que devem ser priorizados pelo planejador, por serem um bem da União”, disse.

 

Para Pepitone, as CGHs e as PCHs têm uma importância histórica no Brasil, porque promovem o desenvolvimento. “A instalação de PCH gera emprego, renda e desenvolvimento para municípios pequenos. Agora, para que tudo isso aconteça, a gente precisa ter estruturadas uma regulação e uma política pública apoiando essa iniciativa.”

 

O diretor financeiro de Itaipu lembrou que a PCH já teve seu momento de auge no Brasil, mas depois teve um período de decadência e, agora, volta a ter representatividade no mercado. “A grande discussão nacional que temos hoje é a maneira de remunerar de forma adequada as usinas pelos serviços que elas prestam ao sistema. Elas perdem um pouco a relevância de segurança energética e ganham uma relevância muito grande de segurança operativa, que é a grande necessidade hoje do sistema." E concluiu: “Então, setorialmente, há hoje todo esse debate para que, em breve, a gente consiga equilibrar a remuneração das hidrelétricas, das PCHs, trazendo os sinais adequados para o desenvolvimento".

 

 

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,9 bilhões de MWh. Em 2022, foi responsável por 8,6% do suprimento de eletricidade do Brasil e 86,3% do Paraguai. A empresa tem como missão “Gerar energia elétrica de qualidade com responsabilidade social e ambiental, contribuindo com o desenvolvimento sustentável no Brasil e no Paraguai.”

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner Exposição
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner pedrão 2018
Banner emprego
Banner Einstein
Banner violência se limite
Banner Mirante