banner dengue dezembro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Curiosidade: JOANA D’ARC FOI UMA BRUXA?
  Data/Hora: 17.jan.2024 - 7h 6 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por Clarisse Ribeiro, via redes sociais – Autor: Ronaldo Capra

 

Você certamente já chamou aquela sua vizinha implicante de bruxa, né? Ou pelo menos pensou. Às vezes, as cunhadas também são alvo desse “elogio”, mas a campeã mesmo é a sogra! O detalhe é que, pra ela, normalmente esse xingamento vem acompanhado de outro adjetivo: velha. Aí vira “bruxa véia”.

 

O caso da Joana D’arc é um pouco diferente… Mas vamos começar pelo início (aff!). Joana era uma garota francesa pobre e analfabeta que a partir dos 13 anos começou a escutar umas vozes, que ela julgava serem de santos. E o que essas vozes diziam? Que ela iria liderar as tropas e expulsar o exército inglês da França. Os dois países estavam batalhando há tempos na chamada “Guerra dos Cem Anos” (1337- 1453). Orra meu! Mas aí dá mais de 100. Pois é…

 

Quando ela fez 17 anos já não estava aguentando mais ouvir essa ladainha na sua cabeça dia sim, dia não: “Joana, você é a mina! Pega seus trapos e vai falar com o rei. Só tu podes resolver esse B.O. em que a França se encontra”. Então ela se mandou pra corte pra contar sobre o chamado celestial e oferecer seus préstimos pro tal do Carlos VII. E não é que o rei aceitou! Imagina o desespero do cara pra entregar o seu exército nas mãos de uma adolescente caipira e biruta. Muita gente deve ter pensado isso. Mas dizem que ele só se convenceu de que a missão era mesmo divina quando a moleca contou um segredo dele que ninguém mais sabia.

 

Mas antes da moçoila adentrar no palácio, Carlos VII quis fazer uma pegadinha: como Joana nunca tinha visto a fuça do rei, ele trocou de roupas e de lugar com um "aspone". Só que, ao ver aquele "zé mané" sentado no trono, o santo dela não bateu com o dele. Então ela começou a procurar o king no meio da multidão e quando viu um certo homem, ela ajoelhou-se aos seus pés. Bingo! Agora eu fiquei arrepiado...

 

Mais um detalhezinho pra contribuir pro absurdo da situação: a guria deu as caras na audiência com o rei (apesar de que ainda não tinha sido coroado oficialmente) vestida com roupas masculinas e cabelo curto, ou seja, a Joanita já era adepta do cross-dressing... Numa sociedade em que as mulheres tinham poucos ou nenhum direito, foi uma bela sacada ter ido vestida de Joãozinho. Evitar ser vítima de estupro no campo de batalha deve ter pesado também.

 

Na entrevista real, a menina alegou ser a enviada de Deus e que tinha como missão coroá-lo rei na cidade de Reims – era a tradição. É lógico que o Carlucho estava desesperado, mas não era bobo. Aí pensou: “Vou dar pra ela como primeira missão desobstruir a passagem pra Reims. Vai ter que socorrer Orléans, que está sitiada pelos gringos. E com recursos limitados. Vamos ver se ela tem bala na agulha mesmo”. E assim foi.

 

Antes da batalha ela enviou uma carta ao monarca inglês exigindo que libertassem a cidade, senão ia matar todos. Eita mocinha petulante! Mas os britânicos desprezaram o aviso. E quando viram o exército francês se aproximando com um punhado de sacerdotes na frente e Joana segurando apenas uma bandeira, começaram a gargalhar.

Mas quem ri por último, ri melhor! Nem sempre… Contudo, por incrível que pareça, a batalha foi vencida. Apesar de não usar armas, a donzela orientava e estimulava os soldados. Mesmo ferida, liderou a sua tropa rumo à vitória. Em 4 dias o cerco foi derrubado. Seja por milagre, sorte, estratégia ou o que for, com essa vitória o caminho estava livre pra coroação de Carlos.

 

Entretanto, após uma porrada de vitórias, Joana foi derrotada em Paris, em 1430. E tinha mais: a França passava por uns probleminhas internos. Havia uns franceses, chamados burgúndios, que apoiavam os ingleses. Esses traíras a raptaram e a entregaram pro inimigo.

 

O sem-vergonha do Carlos VII não mexeu um só dedo pra ajudá-la. Mal agradecido! Nessa altura do campeonato você já sabe que a chapa vai esquentar, né? Ela foi acusada de heresia e feitiçaria em um tribunal da igreja por sua suposta habilidade de ouvir vozes e usar trajes masculinos. Em 1431, com 19 anos, foi queimada viva!

Depois de 15 anos, o Papa Calixto XV reconheceu o erro do tribunal e inocentou-a de todas as acusações. Tarde demais…

 

Em 1920 foi canonizada pela igreja católica. Conclusão: levou quase 500 anos pra se transformar de bruxa em santa.

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
Rose Bueno Acessórios
Banner emprego
Banner pedrão 2018
Banner Mirante
Banner violência se limite
Banner Einstein