banner iptu itaipulândia

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Sobre sionismo e o processo de israelização da igreja evangélica no Brasil
  Data/Hora: 28.fev.2024 - 17h 33 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

Por João Lopes via redes sociais - texto (Bruno Freixo),

 

"Há algum tempo queria muito falar sobre sionismo e o processo de israelização da igreja evangélica no Brasil. Isso passa por temas desde geopolíticos a religiosos.

 

O judaísmo, assim como o cristianismo, é diverso. Não existe judaísmo, mas sim “judaísmos”. Dentro do judaísmo, tem-se algumas correntes predominantes, como a conservadora e as correntes ortodoxa e reformista, que polarizam entre si. A corrente ortodoxa é a mais antiga e tradicional, enquanto a reformista veio no século XIX para flexibilizar o judaísmo ao mundo moderno.

 

As correntes conservadora e reformista são mais respeitosas em relação à figura do Cristo. Apesar de não acreditarem no caráter divino de Jesus, o consideram um grande profeta universal. A corrente ortodoxa segue rigidamente o Talmud, que é uma coletânea rabínica de regras de conduta moral dos judeus, tido, além da Torá, como um livro igualmente divino. Alguns grupos de ortodoxos têm uma interpretação mais literalista do livro, a ponto de repudiar a figura do Cristo baseando-se em passagens que o colocam como um personagem sem importância, e até mesmo herético.

 

Essa visão vai ao encontro de que, na época de Jesus, era muito comum a existência de diversos candidatos a “Ha-Mashiach”, isto é, Messias. E Jesus foi um desses muitos que surgiram como “Filho de Deus” em território romano. Nesse sentido, uma parte dos ortodoxos se orienta nessa tradição histórica. Com efeito, em todos os judaísmos - à exceção do judaísmo messiânico -, de fato, Jesus não é Filho de Deus, é tido no máximo como um grande profeta universal.

 

Já os evangélicos se agarram a uma visão sionista que ganhou força após a criação do Estado de Israel, em 1948, baseada em uma construção teológica oportunista que associa os filhos de Sião (que é o nome de uma das colinas de Jerusalém e tem uma simbologia relacionada à terra de Israel, que seria a casa do povo judeu e, por consequência, a casa do próprio Deus de Israel) aos habitantes do Estado de Israel.

 

Essa oportuna relação errática, que associa o povo hebreu da Tribo de Judá ao povo judeu que migrou em massa para o território palestino a partir de 1948, tem fins político-ideológicos, e alinhou-se entre judeus, britânicos e norte-americanos ainda no final do século XIX, ganhando força no século passado.

Para os cristãos, a ideia é justificada a partir de uma hermenêutica associada ao tema da segunda vinda de Cristo (encontrada nos livros de S. Mateus, I Tessalonicenses, Apocalipse, Atos, além de livros do Antigo Testamento como Daniel e Zacarias), que só aconteceria quando o povo judeu estivesse todo reunido na Terra Santa (Jerusalém).

 

Para os judeus, o sionismo é um movimento político de cunho nacionalista que nasceu entre uma elite burguesa de judeus, sobretudo na Europa Central (região que abarcava a Prússia, o Império Austro-Húngaro, Holanda, entre outros territórios), e que teve como grande expoente o jornalista Teodor Herzl, em uma época conhecida como Belle Époque, que foi o apogeu do liberalismo na Europa.

 

Na perspectiva de Herzl e outros entusiastas do período, o sionismo se estabelece como uma iniciativa legítima, que reivindicava um Estado para os judeus (que eram uma nação sem Estado). Porém, para Edward Said – um grande estudioso do Orientalismo –, essa ideia de legitimidade é falsa, pois o movimento se utiliza do lema de libertação nacional para impor um projeto colonizador na Palestina. O sionismo nega a existência do povo palestino. E é crucial lembrar que estamos falando de um movimento higienista antecessor ao Holocausto de judeus imposto assombrosamente por Hitler.

 

Um outro ponto não menos importante a ser mencionado é que o sionismo se origina na esteira de movimentos nacionalistas e de ideologias supremacistas, que tinham na civilização ocidental a ideia de superioridade cultural.

 

Os judeus sionistas se viam (e se veem até hoje) como parte do Ocidente, pois o Oriente era tido como espiritual e moralmente inferior aos povos ocidentais. Além disso, uma vez cooptado por interesses imperialistas dos EUA, o sionismo avançava como um movimento político forte movido por impulsos exploratórios de norte-americanos, e colonizadores de israelenses.

 

Nesse panorama, na perspectiva cristã, o sionismo se apresenta como um movimento fundamentalista, pois utiliza elementos místicos para sobrepor questões históricas e políticas.

 

Enquanto na diplomacia internacional os Estados Unidos avançavam com a criação da ONU (antiga Liga das Nações) e com o Estado de Israel, os protestantes, sobretudo do sul dos Estados Unidos (que consolidavam, à época, uma aproximação político-religiosa com os Republicanos), encarregavam-se da parte ideológica, que, através de seus pastores, convenciam a população de que a criação de um Estado para os judeus que sobreviveram ao Holocausto era uma causa sagrada e humanitária.

 

Mas, no fundo, a criação do Estado de Israel, naquele momento, atendia a um projeto de poder da OTAN que, com o fim da Segunda Guerra e ascensão da União Soviética, tornou-se conveniente aos Estados Unidos a construção de um bunker estratégico no Oriente Médio para controle geopolítico e exploração econômica, sobretudo de petróleo.

 

Acontece que nosso modelo protestante é fortemente influenciado pelo sul dos EUA, área conhecida como Cinturão da Bíblia (Bible Belt), devido à concentração demográfica de protestantes. Consequentemente, a visão sionista logo chegou aqui por lideranças evangélicas, especialmente a partir dos anos 80, com o avanço do neopentecostalismo e do televangelismo, que ganhava cada vez mais espaço político, midiático e popular, esgotando lotações em pregações feitas em estádios de futebol.

 

A Palestina e outros territórios são oriundos da dissolução do Império Otomano ao fim da Primeira Guerra. Desde então, o povo palestino é uma nação sem Estado (assim como os judeus antes da construção do Estado de Israel em 1948), mesmo com inúmeras promessas da Inglaterra a partir da Declaração Balfour (Inglaterra que, junto à França, tomou o controle do território dissolvido).

 

Da convenção da ONU de 1948 à primeira guerra árabe-israelense, os palestinos perderam mais da metade de seu território para Israel, inclusive a sagrada Jerusalém, que passou a ser dividida em duas: a parte oriental sob controle da Jordânia, e a parte ocidental sob comando de Israel. O “al-nakba” (êxodo forçado do povo palestino, expulso de suas próprias casas e de seu território pelos sionistas do Estado de Israel) começa em 1949 e dura até os dias de hoje, em que a população palestina foi encurralada em Gaza, Cisjordânia e na parte norte das Colinas de Golã, território sírio tomado em 1967 por colonos israelenses na Guerra dos Seis Dias. Israel avança desde então sobre terras palestinas, cria colônias e ocupa diversos territórios, passando inclusive por cima dos acordos da ONU.

 

Isso tudo em nome de uma visão sionista, que é politicamente instrumentalizada pelos Estados Unidos (tanto pelos Democratas quanto pelos Republicanos), disseminada ideologicamente por brancos protestantes, especialmente do sul do país, e potencializada pela extrema-direita transnacional através da teologia do domínio.

 

A máquina de propaganda sionista cria uma falsa guerra de informação transformando em “antissemitismo” tudo que vai contra seu plano colonizador na Palestina. Essa desonestidade intelectual é cooptada por essa extrema-direita transnacional, que se aproveita politicamente da situação para chamar de “nazista” toda forma de apoio à justa luta anticolonialista do povo palestino, inclusive respaldada por uma grande parte da população judaica antagônica ao sionismo.

 

A igreja que aparece na foto desse post é o retrato de uma simbologia sionista importada do Bible Belt norte-americano, com adição de uma forte pitada de ignorância cultural, teológica, histórica e política, o que torna um cenário propício ao fundamentalismo religioso.

 

Inclusive o termo teologicamente contraditório “judaico-cristão” não deixa de ser uma simplificação sionista ampliada por lideranças protestantes aqui e nos EUA como forma de legitimar uma interpretação propositalmente forçada de alguns livros bíblicos do Antigo Testamento (como Levítico, Juízes e, principalmente, Jeremias e Ezequiel), baseada na questão da “Terra Prometida”.

 

O grande problema é que esse fundamentalismo já tirou 30 mil vidas palestinas até agora, pois alimenta mentes limítrofes que apoiam um governo de extrema-direita assassino sem nem darem conta de que o tronco abraâmico que unia o Deus de Israel ao seu povo foi rompido pelos cristãos com o Novo Testamento.

 

O processo sionista de israelização da igreja evangélica brasileira, do ponto de vista teológico, rompe com o Novo Testamento e anula a tradição do Cristo e da ressurreição. Isso cumpre o papel pedagógico da teologia do domínio.

 

Em nome de Deus,

A terra Prometida foi engolida no dilúvio sionista. Mas eles apoiam porque não sabem o que fazem.

Em nome de Deus,

 

Texto do Bruno Freixo"

 

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
Rose Bueno Acessórios
Banner violência se limite
Banner pedrão 2018
Banner Mirante
Banner Einstein
Banner emprego