banner itaipulândia junho

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Cartas do Leitor
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Cultura
João Maria
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Itaipu: Samek e Boccia comemoram marco de 2 bilhões de MWh
  Data/Hora: 10.ago.2012 - 7h 18 - Categoria: Itaipu Binacional  
 
 

O diretor-geral brasileiro, Jorge Samek, e o diretor-geral paraguaio da Itaipu Binacional, Franklin Rafael Boccia, comemoram nesta quinta-feira, dia 9 de agosto, o novo marco de geração alcançado pela maior usina hidrelétrica em operação do mundo.

 

 

Desde o início da operação, em 1984, até as 18h55 desta quarta-feira, dia 8 de agosto, a hidrelétrica gerou um total de 2 bilhões de megawatts-hora (MWh). Este volume seria suficiente para suprir as necessidades de energia elétrica do mundo inteiro por 40 dias.

 

 

Para o diretor-geral brasileiro, esse marco mostra que Itaipu vem cumprindo rigorosamente a missão para a qual foi criada: gerar energia para o desenvolvimento sustentável do Paraguai e do Brasil.

 

 

Animado com o bom desempenho da usina, ele prevê que Itaipu poderá fechar 2012 com um novo recorde de produção anual, superando o melhor resultado alcançado em 2008, quando gerou 94,7 milhões de MWh.

 

 

“Com a conclusão do sistema de transmissão de 500 Kv, o Paraguai vai iniciar uma nova etapa de industrialização e de crescimento econômico, fazendo uso pleno da energia que Itaipu produz”, declarou Samek.

 

 

A obra, considerada fundamental para garantir o fornecimento de energia elétrica para o país vizinho, vai ligar a subestação da margem direita de Itaipu, em Hernandárias, com a subestação de Villa Hayes, que está sendo construída na Grande Assunção.



 

Conjunto de ações

A linha de transmissão de 500 Kv integra um conjunto de ações que visam a melhorar o sistema elétrico paraguaio. Entre as obras em andamento, sob a gestão da própria Itaipu, estão a subestação de Villa Hayes e a ampliação da subestação da margem direita. O sistema, que prevê investimentos da ordem de US$ 550 milhões, vai entrar em operação em maio de 2013. Maior parte dos recursos é do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem).



Homenagem e cenário para as próximas décadas

“Quero agradecer e homenagear todos os operários que trabalharam na construção da usina e aos empregados que, nos últimos 28 anos, deram sua contribuição para transformar Itaipu num empreendimento não só respeitado pela capacidade técnica de geração de energia limpa e renovável, mas também pelas suas ações de responsabilidade socioambiental”.

 

 

Royalties
O diretor destacou que a usina já distribuiu mais de US$ 10 bilhões em royalties para os dois países. Samek vislumbra um cenário promissor para os próximos anos em função dessa boa parceria. “Em 2023, a usina estará paga, modernizada, e continuará vital para a economia dos dois países”.

 


Para Boccia, a produção acumulada de 2 bilhões de MWh, é sem dúvida, um número para ser comemorado com muita alegria. E é também motivo de grande orgulho para toda a Itaipu, dos técnicos aos funcionários administrativos. “É um marco histórico”.

 

 

 

Média de geração

De janeiro até agora, a Itaipu já produziu um total de 61,5 milhões de MWh. Se a média de geração alcançada nos primeiros sete meses do ano for mantida, o recorde será facilmente quebrado.

 

 

A usina de Itaipu é, atualmente, a maior usina hidrelétrica do mundo em geração de energia limpa. Com 14.000 MW de potência instalada, fornece 16,99% da energia consumida no Brasil e abastece 72,91% do consumo paraguaio.

 


 A usina tem 20 unidades geradoras, cada uma com capacidade nominal de 700 MW. A 19ª unidade foi instalada em 2006 e a última em 2007.

A energia garantida de Itaipu é de 75 milhões de megawatts-hora, mas a usina vem produzindo, anualmente, acima de 90 milhões de MWh.

 


A produção supera a capacidade nominal das unidades geradoras graças, principalmente, aos cuidados com sua manutenção e operação. Os indicadores de disponibilidade da usina situam-se entre os melhores do mundo.

 

 

Outros marcos

A marca de 1 bilhão de MWh foi alcançada em 7 de junho de 2001. O novo marco da produção acumulada, o de 3 bilhões de MWh, só deverá ser atingido em 2023, coincidindo como o ano em que a binacional quitará sua dívida.

     

 

Comparativos


O volume de energia produzido por Itaipu nesses 28 anos seria suficiente para atender o consumo de eletricidade do Brasil – indústrias, residências, comércio e setor público – por quatro anos e oito meses; do Paraguai, sócio no empreendimento, por 183 anos; e da vizinha Argentina, por 17 anos e nove meses.

 


País europeu grande consumidor de eletricidade, a França poderia ser suprida por quatro anos, menos tempo que o Reino Unido – cinco anos e seis meses. A Alemanha, país mais rico da zona do euro, teria três anos e seis meses de eletricidade.

 


Mesmo nos maiores mercados consumidores do mundo, Estados Unidos e China, a produção de Itaipu seria expressiva. Nos Estados Unidos, supriria todo o consumo de eletricidade por seis meses, enquanto na China, com seus 1,3 bilhão de habitantes, por seis meses e doze dias.

 

 

Outros comparativos mostram o que representa esse volume de energia. Ela supriria o consumo do Paraná por 76 anos e atenderia com energia elétrica 430 cidades do porte da Grande Curitiba (cerca de 2 milhões de habitantes). Ou, ainda, atenderia o consumo de energia elétrica anual de 4.149 cidades do porte de Foz do Iguaçu.

Toda a América Latina, excluindo o Brasil, poderia ser suprida por essa produção acumulada de Itaipu por quatro anos e sete meses.

 

 

 Funcionamento

 

A Itaipu tem a incumbência de entregar a energia produzida na usina até os pontos de conexão com o Sistema Interligado. No lado brasileiro, a conexão é localizado na subestação de Foz do Iguaçu, de propriedade de Furnas, e no lado paraguaio, a conexão é realizada na subestação Margem Direita, situada na área da usina de Itaipu. A transmissão da energia até os centros de consumo é de responsabilidade de Furnas Centrais Elétricas, no Brasil, e Ande (Administración Nacional de Electricidad), no Paraguai.

 
 

 

 

 
 
Deixe seu comentário!
 
 
 
Banner emprego
Banner violência se limite
Rose Bueno Acessórios
Bassani
Banner Mirante
Banner Exposição
Banner pedrão 2018
Banner Einstein