Vende-se apartamento no centro

 
 
   Categorias
  ATLETISMO
  Banco do Brasil
  Brasil
  Educação
  Ego Famosos
  ENTREVISTAS
  Esporte
  Eventos
  Falando Sério
  Familias
  Foz do Iguaçu
  Geral
  Itaipu Binacional
  Lindeiros
  Moda
  Mundo
  Oeste
  Opinião do Leitor
  Policiais
  Politica
  Santa Terezinha de Itaipu
  São Miguel do Iguaçu
  SICOOB
  SINSMI
  Sociais
  Virtudes e valores
 
     
   Colunistas
Bruno Peron
Cultura
Inácio Dantas
João Maria
Miss Paraná
 
   
 
   Previsão
 
 

 
 
 
Envie por email
 
Pesquisa científica comprova: maconha emburrece
  Data/Hora: 28.ago.2012 - 10h 50 - Colunista: Cultura  
 
 
clique para ampliar

colaboração de Milton Corrêa da Costa

 

 

Mais uma pesquisa científica sobre a maconha, substância entorpecente sobre a qual uma comissão de intelectuais recomendou, recentemente, a legalização do comércio e consumo, inclusive com autorização do plantio da erva em residências, numa séria ameaça à família brasileira, comprova os males da dita substância, numa alerta aos mais jovens. Ou seja, a maconha, dita recreacional pelos dependentes e defensores da causa, não é uma droga tão inocente quanto se imaginava.

 

 

De acordo com dados do Segundo Levantamento Nacional em Álcool e Drogas, elaborado pela Unidade de Pesquisa em  Álcool e Drogas (Uniad) da Universidade Federal de São Paulo, 7% da população brasileira já experimentou maconha pelo menos uma vez na vida. São cerca de 8 milhões de brasileiros. Um terço da população adulta que fuma maconha pode ser considerada dependente. Ainda segundo a pesquisa, 60% dos usuários começaram a usar a droga antes dos 18 anos. É para os mais jovens, portanto, que vai o mais recente alerta científico sobre os males da droga, conforme matéria publicada, nesta terça-feira (28/08), num jornal de grande circulação no país.

 

 

Um estudo sobre o efeito do uso de drogas por longo prazo mostra que aqueles que começaram a utilizar maconha quando adolescentes podem chegar à meia-idade com uma deficiência de oito pontos no QI (quociente de inteligência) se comparado aos não usuários.

 

 

A pesquisadora Madeline Meier, da Universidade Duke, nos Estados Unidos, utilizou como base um estudo que acompanhou mil pessoas em Dunedin, Nova Zelândia, desde o nascimento até os 38 anos de idade. Os dados permitiram comparar os testes de QI feitos com os participantes na idade dos 13 — antes do uso de maconha — com os testes de QI quando adultos; em alguns casos, depois de anos de uso da droga.

 

O estudo mostrou que aqueles que desenvolveram uma dependência da droga apresentaram maior declínio de QI, perdendo seis pontos na média, independentemente do quão cedo o hábito começou. Dentro desse grupo, aqueles que começaram a usar a droga antes de seu aniversário de 18 anos apresentaram um declínio subsequente de 8 pontos em média no QI.

Além disso, amigos e parentes próximos dos usuários de maconha informaram que eles tiveram problemas cada vez mais frequentes de memória e de atenção. Segundo os pesquisadores, o dano não parece ser reversível depois de os usuários deixarem o hábito. Mas eles afirmam que quando o uso da maconha começa após o 18º aniversário, os danos são menores.

— Este estudo é o primeiro a oferecer evidências de que a maconha provoca, de fato, efeitos neurotóxicos em cérebros jovens — diz Meier.

 

 

Segundo o psiquiatra, especialista em dependência química, Jorge Jaber, presidente da Associação Brasileira de Álcool e Outras Drogas, a pesquisa só confirma o que na prática é notado pelos médicos:


 

- Há pelo menos  dez anos já vínhamos percebendo esta perda cognitiva, principalmente nos jovens, porque neles não se deu o amadurecimento completo do cérebro.

 

 

O especialista explica que a maconha provoca a contração dos vasos sanguíneos e, portanto, diminui o aporte de sangue no cérebro. Com isso, reduz-se a chegada de oxigênio e de glicose, importantes substâncias para o desenvolvimento das células cerebrais. Isto afeta principalmente o lobo frontal, região relacionada ao pensamento abstrato e à memória. Jaber alerta que o comprometimento cerebral pode ser notado em cerca de 70% dos adolescentes que fazem uso contínuo da droga. Segundo o psiquiatra, a cannabis também pode provocar a diminuição do volume dos neurônios, assim como a sua destruição.

 

 

- A linguagem é a primeira a ser afetada. O uso frequente de gírias, tida como normal da idade, em alguns casos, já pode ser um sintoma. Depois, o usuário vai perdendo a motivação intelectual e os interesses alternativos, como no esporte e na cultura- alerta Jaber.

 

 

 

Milton Corrêa da Costa é pesquisador em  temas relacionados ao uso indevido de drogas

 
     
Deixe seu comentário!
 
 
 
Bassani
Banner Mães Fortes
Rose Bueno Acessórios
banner idiota útil
Banner militares
Banner Reforma da Previdência
Banner Teia da operação
Banner fotógrafo premiado
Banner Graciliano Ramos
Banner as cidades tem alma